Podem os robôs ser totalmente autónomos nas fábricas? Ciberataques são o principal receio dos trabalhadores

Com o aumento da utilização da robótica e outros equipamentos baseados na IA, um estudo recente constatou que a maioria dos trabalhadores não acredita que os processos de produção geridos por robôs possam ser recuperados imediatamente em caso de um ciberataque ou avaria.

De acordo com o estudo da Kaspersky, 77% dos europeus acredita que a recuperação total levaria alguns dias ou mais, o que afetaria a produção das empresas.

Visto que os cibercriminosos podem afetar os negócios através de e-mails, espaços virtuais, endpoints e sistemas incorporados, o estudo revela que as empresas devem ter uma preocupação acrescida com a segurança na altura de implementar novas tecnologias como a robótica nos seus processos empresariais.

Os resultados do inquérito mostram que a maioria dos colaboradores em empresas com sistemas de automação na produção, estão cientes dos possíveis riscos de cibersegurança. Apenas 8% dos inquiridos europeus acreditam que os robôs defeituosos podem ser reparados imediatamente no caso de um ciberataque. Mais de metade (52%) espera que as operações de restabelecimento demorem algumas semanas ou mais, e mais os inquiridos otimistas (25%) são da opinião que um regresso aos processos normais de produção poderia acontecer dentro de poucos dias.

Desta forma, mais de metade (57%) dos inquiridos europeus dizem não ser claro de quem será a responsabilidade se os robôs falharem durante um mau funcionamento do equipamento ou um ciberataque, e defendem que se deve manter as posições de liderança para as pessoas.

“Eles estão confiantes de que é necessário prestar mais atenção à sua segurança e céticos sobre a rapidez com que um robô pode recuperar após um incidente cibernético. De facto, enfrentamos as preocupações sobre o trabalho e proteção adequados dos modernos sistemas industriais IoT, com toda a variedade de dispositivos inteligentes no seu interior”, comenta Andrey Suvorov, Head of KasperskyOS Business Unit.

Assi, a Kaspersky recomenda, por exemplo, a realização de avaliações regulares de segurança dos sistemas de OT para identificar e eliminar possíveis problemas de cibersegurança, atualizações periódicas dos principais componentes na rede de OT da empresa, ou ainda a utilização de soluções EDR industriais para deteção atempada de ameaças sofisticadas, investigação e correção eficaz de ocorrências.

Em 2022, 61% dos ciberataques visaram PMEs. O que podem as empresas fazer?

Ler Mais



loading...

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.