Pandemia deixa milhares de crianças por vacinar

A pandemia da Covid-19 está a deixar milhares de crianças por vacinar devido ao receio de muitos pais em levar crianças e bebés aos centros de saúde. De acordo com o “Jornal de Notícias” (JN), na semana passada registou-se uma quebra média de cerca de 8500 vacinas por dia.

Segundo o portal do Serviço Nacional de Saúde, que faz a monitorização da administração das vacinas do Programa Nacional de Vacinação (PNV), na semana passada (dias 16, 17 e 18, as últimas datas disponíveis) foram administradas cerca de 48 mil vacinas nos agrupamentos de centros de saúde. Nos mesmos dias da semana anterior tinham sido 74 mil, o que representa uma quebra média de 8500 mil vacinas por dia. Nos anos anteriores, não há registo de uma curva tão baixa como a da semana passada.

«A vacinação no primeiro ano de vida é essencial. Não queremos que, além do Covid-19, surjam surtos de sarampo, tosse convulsa ou meningites», disse ao “JN” Teresa Fernandes, coordenadora do PNV, da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Face às dúvidas de pais e profissionais, a DGS emitiu ontem um comunicado onde afirma que a vacinação até aos 12 meses é prioritária, não devendo ser adiada. Nas vacinas seguintes há mais flexibilidade.

De acordo com a DGS:

  • A vacinação é recomendada até aos 12 meses de idade, inclusive, uma vez que «as crianças devem cumprir atempadamente a vacinação recomendada no primeiro ano de vida, que confere protecção precoce contra onze doenças potencialmente graves. Aos 12 meses, as vacinas contra o meningococo C e contra o sarampo, papeira e rubéola são muito importantes. A situação epidemiológica do sarampo a nível mundial não permite adiar esta vacina»;
  • A vacinação BCG das crianças com risco identificado de tuberculose grave;
  • A vacinação de doentes crónicos e outros grupos de risco;
  • As grávidas devem «procurar activamente a vacinação contra a tosse convulsa, que tem como objectivo a protecção do bebé nos primeiros meses de vida. A vacinação poderá ser adiada, mas nunca para além das 28 a 32 semanas de gestação».
Artigos relacionados

Exclusivo MIT - Massachusetts Institute of Technology

Dormir. Factor determinante no desempenho profissional?

Pesquisas mostram que a falta de sono tem várias consequências que podem afectar negativamente o desempenho profissional. Então por que razão tantos locais de trabalho modernos condenam práticas que não ajudam a bons horários de sono?
Comentários
Loading...

Multipublicações