Ouro é antídoto para a inflação? Procura dispara 36% e é a mais alta em quase dois anos

No meio de uma inflação galopante e uma recessão iminente a nível global, o investimento físico em ouro parece estar a ser uma opção para uma grande parte dos investidores, registando-se um aumento de 36% na procura em todo o mundo.

De acordo com a mais recente análise da BestBrokers, globalmente, a procura de ouro no terceiro trimestre deste ano foi a mais alta desde o primeiro trimestre de 2021, com 351,1 toneladas, ou seja um aumento de 36% em relação ao terceiro trimestre de 2021 e um aumento de 41% em relação ao segundo trimestre de 2022.

Este aumento surge num momento em que as condições atuais do mercado podem ser facilmente descritas como negativas, tendo em conta a inflação, a possível recessão, questões pós-pandémicas, incluindo bloqueios e a própria guerra na Ucrânia.

Neste contexto difícil, surge esta nova análise com foco principal nos níveis de investimento em ouro nas principais regiões de investimento – Estados Unidos, América do Norte, China, Índia e Europa. Conclui-se que, globalmente, a procura por ouro como investimento no terceiro trimestre foi a mais alta desde o primeiro trimestre de 2021.

De acordo com os dados mais recentes do World Gold Council (organização de desenvolvimento de mercado para a indústria do ouro), com sede no Reino Unido, as vendas acumuladas este ano de moedas de cunhagem dos EUA atingiram o nível mais alto desde 1999, tendo em conta as preocupações dos investidores sobre os economia dos EUA e a mais alta inflação em várias décadas.

A acompanhar este movimento chegou a procura física de investimento em ouro nos EUA que se registou elevada no terceiro trimestre de 2022, devido a um ambiente macroeconómico complexo de inflação persistentemente alta, aumento das taxas de juros e desaceleração do crescimento económico.

A procura por ouro em forma de barras e moedas aumentou 3% nos EUA em comparação com o período homólogo do ano anterior, para 25 toneladas. Esse número representou uma queda de quase 11% em relação ao segundo trimestre de 2022, mas ainda permaneceu acima do nível médio trimestral dos últimos 5 anos (15 toneladas).

Na América do Norte, a procura de ouro como investimento aumentou 5,2% em relação ao ano anterior no terceiro trimestre, para 27,9 toneladas, mas caiu 13,3% em comparação com o segundo trimestre.

Já na China, a procura por ouro aumentou 87,4% para 70,1 toneladas no período em análise, num momento em que a atividade caiu como resultado dos bloqueios relacionados com a Covid-19. Em relação ao terceiro trimestre de 2021, a procura no país aumentou 8,3% no último trimestre, momento em que os preços locais do ouro dispararam substancialmente em julho e incentivaram a caça a bons negócios por parte dos investidores.

Na Índia, outro mercado importante para o ouro, a procura por este ativo aumentou 49,3% para 45,4 toneladas no terceiro trimestre, tendo em conta que os investidores aproveitaram os preços mais baixos a nível local, bem como uma queda nas ações no país. Este valor foi 14% acima do nível médio trimestral dos últimos 5 anos. Quando analisados os valores anuais, a procura de ouro em barras e moedas no país aumentou 5,8% no último trimestre.

Na Europa continental, a procura por este ativo aumentou 28% em relação ao ano anterior no terceiro trimestre, para 71,8 toneladas. Os fluxos de investimento em ouro foram encorajados por vários fatores, incluindo uma desaceleração do crescimento em grande parte do continente, o conflito militar na Ucrânia e uma tentativa das autoridades financeiras aumentarem as taxas de juros para controlar a inflação sem levar a economia a uma recessão repentina.

Ler Mais



loading...

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.