Oportunidades e ameaças do metaverso

Por Jose Maria Blanco Navarro, Responsável da Prosegur Research

Estamos perante um futuro emocionante, embora não sem desafios significativos, sobre o qual construir um ambiente interativo multidimensional com grande potencial transformador. O conceito do metaverso, recentemente abordado pelo observatório Prosegur Research, não se desenvolve como um videojogo em grande escala, mas baseia-se na socialização virtual: o objetivo é interagir com outras pessoas (avatares) através de espaços públicos, cinemas, locais de trabalho, áreas de lazer, etc. Isto significa que as possibilidades são praticamente ilimitadas, tantas como no mundo físico à nossa volta, desde trabalhar, receber um salário, assistir a concertos, visitar museus ou mesmo estudar para obter um diploma. No entanto, os avanços no desenvolvimento do metaverso implicam também o aparecimento de novos riscos e desafios, uma vez que geram novos espaços para comportamentos sociais violentos, delinquência económico-criminal, gamificação perversa e mesmo um e-learning de troca de conhecimentos criminais.

A tecnologia é um meio e o metaverso é postulado como um motor de mudança, inovação e convergência, com projeções económicas para os próximos anos que poderão rondar os dois mil milhões de euros. Portanto, não devemos esquecer que é o fator humano que realmente gera os riscos: a hiper-individualização de conteúdos e serviços, a exploração económica do metaverso, o anonimato e a transferência de problemas sociais comuns para o ciberespaço, tais como os vários tipos de discriminação ou a polarização social, favorecem o aparecimento de comportamentos criminosos. Devemos identificar os riscos do metaverso a fim de os antecipar e construir um ambiente mais seguro, em linha com o desenvolvimento tecnológico que estamos atualmente a viver.

Tal como acontece tanto com a Internet como com o chamado “metaverso primitivo” do Second Life, é provável que grande parte da atividade nos futuros metaversos seja direcionada para o consumo de conteúdos adultos, e isto apresenta desafios significativos para a proteção dos indivíduos. Veremos possibilidades de exploração económica no metaverso que nunca foram antes imaginadas; embora este seja um aspeto negativo, implica certos riscos. O rápido fluxo de transações e o facto de nem o metaverso nem os espaços económicos criptográficos estarem ainda suficientemente regulamentados tornaram este cenário num elemento atrativo para os praticantes de fraudes e cibercriminosos. Neste novo ambiente, a falta de conhecimento dos utilizadores e das empresas sobre o sistema de transação metaverso pode facilitar o sucesso das burlas através, por exemplo, de contratos inteligentes que não fazem o que prometem ostensivamente, mas oferecem acesso a cryptoassets ou à informação pessoal da vítima. Vale também a pena notar os riscos típicos que se encontram atualmente na Internet e que não parecem estar isentos no metaverso. Por exemplo, os ataques DDoS, que procuram fazer cair os servidores ao receberem mais pedidos do que aqueles que podem lidar, poderiam ser utilizados contra os próprios servidores do metaverso, a fim de perturbar o seu funcionamento. Além disso, a economia baseada em criptomoedas, apoiada pela tecnologia de Blockchain e NFT, poderia significar que bens digitais preciosos, tais como obras de arte ou propriedades virtuais, poderiam ser comprados e vendidos, tornando-os num alvo de ataques de ransomware, que procuram desviar dados armazenados exigindo um resgate financeiro para descodificar essa informação.

A todas estas ameaças deve acrescentar-se o grande desafio do ponto de vista legal que é colocado pelo metaverso. A descentralização da Internet e a falta de adaptação do sistema jurídico a esta nova realidade limita bastante as possibilidades de regulamentação específica de muitos comportamentos criminosos dos utilizadores, bem como o seu combate judicial e prevenção. Além disso, a proteção da privacidade e da propriedade intelectual são duas questões importantes levantadas pelo desenvolvimento teórico e prático do metaverso.

Em suma, a tecnologia é um meio, e o metaverso assume-se como um motor de mudança, inovação e convergência. Portanto, não devemos esquecer que é o fator humano que é realmente gerador de riscos, mas que também tem a capacidade de antecipar esses mesmos riscos e de construir um ambiente seguro, apoiando-se nos desenvolvimentos tecnológicos atuais.

Ler Mais

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.