Open Days PME Connect apoia internacionalização das empresas

Ajudar as empresas portuguesas a vencer nos mercados internacionais é o propósito do Open Days PME Connect, evento realizado em parceria com a Associação Industrial Portuguesa (AIP) e a Deloitte. Marcado para entre os próximos dias 20 e 22, na Casa da América Latina, em Lisboa, vai reunir 80 oradores: pela primeira vez, empresas, associações empresariais e Governo juntam-se para pensar a internacionalização das PMEs portuguesas.

«O que procuramos fazer é que os grupos fortemente internacionalizados funcionem como alavanca e porta-aviões da internacionalização das nossas PMEs. Este é o objectivo, fazer uma internacionalização sustentável, criar dimensão, já que Portugal tem fragilidades a este nível, criar escala e sustentabilidade. O PME Connect é um projecto pioneiro porque cria esta rede institucional de parcerias, uma rede empresarial que junta grupos fortemente internacionalizados com PMEs de valor», sustenta Paulo Caldas, director do departamento de Economia e Inovação da AIP, na apresentação do Open Days PME Connect, esta manhã.

O projecto PME Connect permitiu a 55 PMEs aceder a mentoria junto de cinco grupos fortemente internacionalizados: a Sonae MC no Retalho, a Mota Engil na Construção, a EDP na Energia, o Grupo Pestana no Turismo e a Tekever na Defesa e TI. Empresas com bons desempenhos económico-financeiros e presença em mercados além-fronteiras, que podem aconselhar PMEs, para que estas empresas possam ganhar escala e competitividade e serem orientadas eficazmente na conquista internacional.

Na apresentação, foram revelados alguns dados nacionais: das 406 mil empresas portuguesas, apenas 23 mil exportam; destas, mais de 85% exporta com um volume de negócios inferior a um milhão de euros e 78% exporta para um só mercado. «Não estamos satisfeitos com o peso de 44% das exportações no PIB, em 2018. Para uma pequena economia aberta como a nossa, diria que devemos ter como objectivo mais de 70% do peso das exportações», ressalva Paulo Caldas.

Recentemente, a PME Connect realizou um inquérito a PMEs e “grupos fortemente internacionalizados”, que revelou que quase 60% das empresas determina como muito importante a dificuldade na captação de parceiros, colocando-a acima das dificuldades com as barreiras alfandegárias, problemas de mecanismos de logística, ou questões como a falta de conhecimento do mercado. «Um indicador de como o PME Connect é relevante. (…) A confiança, a proximidade e o conhecimento que cada grupo fortemente internacionalizado tem com a sua rede PME é vital para o eficaz processo de internacionalização», esclarece o director do departamento de Economia e Inovação da AIP.

Para o próximo ano, a estratégia do PME Connect passa por envolver 200 PMEs, 12 mercados internacionais e três milhões de euros para acções concretas de capacitação, missões de prospecção externa e protocolos institucionais de rede com embaixadas.

Texto de TitiAna Amorim Barroso

Artigos relacionados
Comentários