OE2022: Costa admite “forte aposta” no investimento público e empresarial

António Costa está hoje reunido com o grupo parlamentar do PS na Assembleia da República para falar do Orçamento de Estado para 2022 (OE2022). O Primeiro-Ministro reforçou o foco deste OE no investimento quer no setor público, quer no setor empresarial.

Em declarações à comunicação social, António Costa sublinhou a trajetória de investimento público constante que o Governo tem realizado, bem como o reforço das condições para o investimento privado, tendo este atingido no primeiro semestre de 2021 o novo máximo de investimento empresarial.

Neste setor, o Primeiro-Ministro sublinhou a criação de “um novo incentivo fiscal à recuperação que visa, relativamente aos investimentos que se realiza durante a primeira metade de 2022, ter um desconto na matéria coletável de 10% para todos os investimentos que estejam na média dos investimentos realizados pelas empresas nos últimos três anos, e de 25% para todos os investimentos que estejam acima da média de investimento dos últimos três anos, num investimento máximo de cinco milhões de euros de dedução à coleta para cada empresa”.

Este incentivo fiscal é complementado com outro instrumento para que as empresas tenham capacidade para reforçar as suas condições de investimento, que é o fundo para a capitalização num total de 1.300 milhões de euros, que visa aumentar a autonomia financeira das empresas e responder às suas necessidades de financiamento próprio.

António Costa sublinhou o “reforço significativo das suas condições de liquidez, seja pelo fim definitivo do Pagamento Especial por Conta, seja pelo plano de apoio à tesouraria das micro, pequenas e médias empresas, quer também através da criação de melhores condições de pagamento prestacional de dívidas ao Fisco ou à Segurança Social”.

“Ao contrário do que a direita sempre disse, desde que começamos a virar a página da austeridade em 2016, não cortando os rendimentos mas sim aumentando os rendimentos que damos coragem aos agentes económicos, às empresas para investir, e condições às empresas para terem melhor qualidade de vida”, disse o Primeiro-Ministro.

Ler Mais


1 comentário
  1. Miguel Diz

    Ele tem razao o rendimento dos portugueses ate pode ter subido desde 2016 (comecou antes) mas esqueceu-se que retirou por outra via atraves de taxas e taxinhas.
    O PEC ja estava suspenso nos ultimos dois anos para PME por isso nao precisa de sublinhar o enorme esforco do governo.
    Por fim o enorme investimento publico deve-se maioriatariamente ao PRR, se retirarmos o PRR o investimento publico do orcamento e de chorar…Mais uma vez digo que estamos a desperdicar uma oportunidade unica de reformar o estado. Com juros a subir e sem as esmolas da europa vai ser mais dificil reformar o estado, desde o modelos de gestao escolar ate ao modelo de gestao do SNS….enfim!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.