Obras da linha circular do metro de Lisboa preparam-se para arrancar. Projeto estará concluído em três anos

A expansão do Metro de Lisboa, com a criação de uma linha circular prepara-se para arrancar, com o Governo a assinar esta quarta-feira o auto de consignação, que permite que as obras comecem de imediato, avança a ‘TSF’, que adianta que o projeto será inaugurado no primeiro semestre de 2024.

O objetivo é estabelecer uma ligação entre a estação do Rato e a do Cais do Sodré, acrescentando à rede duas novas estações, Estrela e Santos, uma obra que será «fundamental» para garantir uma maior capacidade de transportes na cidade de Lisboa, segundo o ministro do ambiente e ação climática.

Em declarações à ‘TSF’, Matos Fernandes considera que este projeto é de extrema importância, com «comboios a passarem a cada três minutos e meio, servindo um dos principais nós de entrada na cidade, o Cais do Sodré, através da Linha de Cascais e dos barcos vindos da Margem Sul», explica.

«Vai haver uma grande linha circular entre o Cais do Sodré e o Campo Grande, a funcionar nos dois sentidos. Vai do Cais do Sodré à Baixa Chiado, depois segue pela Almirante Reis, até ao Campo Grande, descendo até ao Marquês, depois ao Rato, Estrela, Santos e de novo Cais do Sodré», detalha.

O governante refere ainda que esta obra, cujo investimento se fixa em 210 milhões de euros, «ainda tem uma outra vantagem muito grande: Não perturba a circulação do próprio metro, porque a estação do Rato já tem um túnel feito para o comboio poder ir e voltar e por isso a obra é feita a partir daí, e o mesmo é válido no Cais do Sodré».

O ministro disse ainda, relativamente ao preço dos passes multimodais (de 30 ou 40 euros), que esse valor é fixado pela Autoridade Metropolitana, não se prevendo alterações, apesar esta expansão. «Há todas as condições para que o seu valor se mantenha durante muitos anos», afirmou.

O Governo apresenta também hoje, em simultâneo, outras duas obras: a expansão da linha vermelha do Metro de Lisboa até Alcântara, passando pelas Amoreiras e por Campo de Ourique; e o futuro metro ligeiro de superfície entre Odivelas e Loures.

Espera-se que ambos os projetos estejam terminados no final de 2026, sendo que no último caso o objetivo é servir as freguesias de Loures, Santo António dos Cavaleiros e Frielas, mas também, no concelho de Odivelas, as freguesias de Póvoa de Santo Adrião, Olival Basto, Odivelas, Ramada e Caneças.

Ler Mais

Artigos relacionados
Comentários
Loading...