pub

O que pode mudar depois do Conselho de Ministros? Do recolher obrigatório ao teletrabalho

«Não excluímos à partida nenhuma medida possível, mas entendemos que devemos adoptar as medidas que perturbem o mínimo possível a vida pessoal, social e económica». As palavras são de António Costa, que na última quinta-feira garantiu que o Governo iria analisar todas as possibilidades para travar a progressão da pandemia de COVID-19 em Portugal.

As novas medidas serão conhecidas hoje, após Conselho de Ministros, que se reune depois de o primeiro-ministro ter ouvido os partidos com assento parlamento e de o ministro da Economia ter recebido os parceiros sociais. Mas o que pode, afinal, acontecer?

Mais concelhos com restrições
Aquilo que acontece agora em Paços de Ferreira, Felgueiras e Lousada poderá passar a ser uma realidade também noutros concelhos. Quando António Costa falar ao País dentro de algumas horas, poderá anunciar o alargamento das restrições a mais municípios onde a taxa de novos casos de infecção por cada 100 mil habitantes seja preocupante.

Lojas e restaurantes encerram mais cedo
Antecipar o horário de encerramento de lojas e restaurantes será outra opção em análise. Recorde-se que, neste momento, os estabelecimentos de restauração podem receber clientes até à meia-noite, devendo fechar as portas uma hora depois. No entanto, os jantares poderão passar a terminar mais cedo.

Recolher obrigatório
Uma das medidas em debate é a possibilidade de implementar o recolher obrigatório, tal como aconteceu em Espanha, por exemplo. Por cá, embora o ministro Pedro Siza Vieira tenha garantido que é uma opção com pernas para a andar, os parceiros sociais não serão da mesma opinião.

Confinamento no início de Dezembro
De modo a evitar que o Natal não seja passado em família, o Governo está a ponderar um confinamento temporário, de apenas 15 dias, no início de Dezembro – e em que as escolas continuariam a funcionar. No entanto, para isso, seria necessário declarar novo estado de emergência.

Teletrabalho obrigatório
Sempre que as funções dos trabalhadores permitam, poderá ser obrigatório trabalhar a partir de casa. Esta será outra das opções em debate esta manhã no Conselho de Ministros, apesar de, uma vez mais, não reunir consenso entre os parceiros sociais.

Ler Mais
pub

Comentários
Loading...