O novo amanhecer da Europa

Nenhuma crise dura para sempre. Isto pode ser difícil de lembrar quando estamos mesmo no meio de uma mas é exactamente nesta altura que nos devemos esforçar por dividir o foco entre os desafios em mãos e a nossa visão a longo prazo. O primeiro irá ajudar-nos a sobreviver ao presente; o segundo irá fazer-nos ganhar no futuro.
As indústrias europeias foram tão duramente atingidas pela pandemia da COVID-19 como o resto do mundo mas estão no entanto prestes a prosperar. Podem fazê-lo, desenvolvendo os seus pontos fortes ao mesmo tempo que fazem o árduo trabalho de lidar com as suas fraquezas.
De facto, um dos poucos pontos fortes da pandemia foi o facto de ter revelado os pontos fortes e fracos das empresas. Por exemplo, a liderança das indústrias europeias em matéria de sustentabilidade resplandeceu, enquanto os seus esforços de adopção digital ficaram frequentemente atrás dos seus pares globais.
Então e agora? É aqui que entra a visão a longo prazo: As empresas europeias devem criar planos para manter a sua liderança em pontos fortes como a sustentabilidade, construir estruturas para a aceleração digital e colaborar com parceiros para além dos seus próprios silos industriais, porque a inovação e as enormes oportunidades de crescimento residem a nível inter-indústria. Mais importante ainda, devem assumir mais responsabilidade pelas necessidades da sua população, em termos de competências e bem-estar, pois nenhum sucesso pode ser alcançado sem os talentos certos. Algumas indústrias já estão bem encaminhadas para o fazer; outras precisariam de se reinventar. Com as acções e a visão certas, é possível ganhar o futuro pós-pandémico. Chegou a altura de as indústrias europeias assegurarem essa vitória.
Jean Marc Ollagnier, CEO, Accenture Europa

UM PARADIGMA DE ELEVADO POTENCIAL DE CRESCIMENTO ESTÁ A TOMAR FORMA…

As grandes empresas europeias pré-pandémicas estavam a acompanhar a concorrência norte-americana e chinesa na maioria das indústrias. Depois, a COVID-19 deu o seu golpe global. E agora, enquanto as economias se concentram na recuperação, vemos empresas na China e nos EUA a antecipar recuperações mais rápidas do que os seus pares europeus, com a Europa a ficar para trás em sectores-chave, como tecnologia e software & plataformas – bases da economia digital. Nestes domínios, claramente, a Europa precisa de se reformular.

Contudo, será necessário mais do que um regresso a trajectórias e estratégias de crescimento pré-pandémicas para liderar no mundo pós-pandémico. À medida que os efeitos pandémicos continuam, emerge um novo paradigma para a liderança do crescimento – um paradigma que todas as empresas europeias estão bem posicionadas para alavancar.

Este novo paradigma tem como bases a resiliência empresarial, a regionalização e indústrias emergentes nas áreas de produção inteligente, saúde digital, mobilidade inteligente e transição energética – áreas em que a Europa já está a investir bastante. Também depende da combinação de aceleração digital e esforços de sustentabilidade; enquanto as empresas europeias ficam para trás na adopção digital, há muito que são líderes na sustentabilidade.

Esta abordagem emergente à liderança do crescimento pode impulsionar o tão necessário reinício de certas indústrias europeias, abrindo-lhes oportunidades para passarem à frente dos seus pares globais. Pode também abrir novos caminhos para vantagens competitivas à medida que as indústrias convergem. E, assim, pode fomentar a criação generalizada de empregos em rede.


…QUE A EUROPA PODE ALAVANCAR COM ACÇÕES RÁPIDAS E DECISIVAS.

A chave para alavancar este paradigma de crescimento serão as acções rápidas das empresas europeias – com o apoio das instituições da UE e dos governos europeus.

  • ECOSSISTEMAS: Construir os ecossistemas necessários para impulsionar a inovação e a entrega de energia em áreas de elevado potencial e de convergência da indústria, tais como a produção inteligente, a saúde digital e a transição energética, aproveitando os conhecimentos especializados das comunidades das startups e das comunidades académicas para construir novos líderes industriais.
  • TRANSFORMAÇÃO GÉMEA: Criar valor no cruzamento de sustentabilidade e adopção digital misturando os dois (empreendendo aquilo a que chamamos uma Transformação Gémea). Isto incluirá investimentos acelerados em tecnologias emergentes, com ênfase na inteligência artificial, 5G, cloud híbrida e hidrogénio limpo.
  • REQUALIFICAÇÃO DA FORÇA DE TRABALHO: Envolvam-se na requalificação da força de trabalho para sustentar estes esforços e apoiar o crescimento contínuo do emprego, por exemplo, recorrendo ao desenvolvimento de programas de aprendizagem STEM ao longo da vida, e formação específica do sector.

Os desafios associados a cada acção são consideráveis. Mas os 700 líderes empresariais europeus que participaram no recente estudo da Accenture acreditam que novos líderes industriais globais podem emergir da Europa, apoiados por instituições da UE e governos europeus, e com diálogo e colaboração no centro de uma nova política industrial.

A COVID-19 está a testar a resiliência das empresas em todo o mundo; as empresas europeias não são excepção.

Antes da pandemia, a maioria das indústrias europeias mantiveram a sua posição no mercado em relação à China e aos seus pares dos EUA. Agora, a Europa enfrenta desafios significativos em Tecnologia e Software.

No entanto, as empresas europeias estão bem representadas nos segmentos de topo em todas as indústrias.

  • As empresas europeias podem ser encontradas entre as 20 empresas líderes em todas as indústrias.
  • As empresas europeias têm a posição de liderança mais forte nos sectores automóvel e de bens e serviços de consumo, constituindo assim mais de metade das principais empresas e de geradores de receitas nestes sectores.
  • No meio-termo, as players europeias mantêm um lugar importante no mercado, com um bom número de fortes líderes competitivos.
  • Nos sectores tecnológicos, as players europeias estão menos representadas entre as líderes, e têm uma quota de mercado pequena.

As esperanças de recuperação económica são elevadas em toda a Europa, esperando-se fortes perspectivas de crescimento nos próximos dois anos.

Os recentes desenvolvimentos na luta contra a pandemia de COVID-19, incluindo o lançamento de vacinas, estimularam uma confiança crescente em toda a Europa na recuperação económica.

As instituições e os analistas económicos globais têm uma perspectiva positiva; a economia europeia deverá crescer 4,2% em 2021 e 3,6% em 2022. Estas projecções seguem uma grave contracção em 2020 (-7,2%).

O inquérito da Accenture de Fevereiro-Março de 2021 a executivos de topo, representando 700 grandes empresas europeias, concluiu que uma maioria está fortemente confiante no crescimento económico da sua empresa nos próximos dois anos. Os executivos de topo da Farmacêutica são os mais confiantes (com 92% a demonstrar confiança), e os de Viagens, Comunicações e Meios de Comunicação são os menos, com 68% e 70% respectivamente.

Estes executivos também antecipam recuperação e crescimento em toda a Europa nos próximos três anos.

No entanto, esta perspectiva positiva contrasta com a sua visão a curto prazo, dados os vários desafios que muitas empresas e indústrias enfrentam actualmente. Há uma clara necessidade de as empresas europeias se moverem rapidamente para abraçarem novas vias de crescimento.

No entanto, até as recuperações previstas colocam muitas empresas europeias atrás dos seus pares globais.

Uma concorrência feroz resultará em grandes recompensas para as empresas que forem mais resilientes.

  • Um pequeno grupo de empresas irá conseguir colher a maior parte dos lucros nos próximos 12 meses.
  • De facto, um recente relatório da Accenture, “The European Double Up,” identificou um grupo de empresas – “Líderes de Amanhã” – que estão no bom caminho para apresentarem um crescimento rentável em 2021.
  • Estas empresas representam 35% das grandes empresas que analisámos globalmente a partir do nosso inquérito CXO e, em 12 meses, prevê-se que venham a obter 78% dos lucros, contra 41% antes do início da pandemia.
  • Até à data, as empresas europeias estão subrepresentadas entre as Líderes de Amanhã contra os seus pares norte-americanos e da APAC.
  • Em indústrias mais afectadas pela pandemia, tais como Viagens, Manufactura e sectores relacionados com recursos, espera-se que a concentração dos lucros seja ainda mais extrema.


UM NOVO PARADIGMA PARA A LIDERANÇA DO CRESCIMENTO ABRE OPORTUNIDADES PARA EMPRESAS E INDÚSTRIAS EUROPEIAS.

Elementos deste novo modelo de liderança de crescimento incluem resiliência, regionalização, convergência da indústria, aceleração digital e sustentabilidade.

  • Resiliência
  • Regionalização
  • Convergência da indústria
  • Aceleração digital
  • Sustentabilidade

A resiliência é tanto um contributo como um resultado. Os seus componentes, que incluem agilidade na tomada de decisões, flexibilidade estratégica, talento adaptativo e capacidade de investimento orientado para a inovação, revelaram-se fundamentais para a sobrevivência das empresas durante a pandemia em muitas indústrias. Fundamentalmente, o reforço destas qualidades irá permanecer no topo das prioridades de topo, à medida que estas se esforçam por se prepararem melhor para crises futuras, ainda desconhecidas.

As regiões são importantes. As tensões geopolíticas pré-pandémicas já colocam a economia global num caminho de desglobalização e de adopção de mais política económica regional ou nacional. A crise enfatizou ainda mais questões como a resiliência da cadeia de abastecimento e a dependência estratégica de materiais. O debate sobre o nível de integração nacional versus regional versus global continuará na próxima década.

Para satisfazer as expectativas dos clientes de experiências significativas, as empresas precisam de passar da integração vertical para modelos empresariais baseados em ecossistemas que atravessam os limites das indústrias e inovam continuamente através destas novas relações.

Com a ascensão da tecnologia digital na década de 2010, vimos as empresas de tecnologia reivindicarem os cinco principais lugares no mercado em 2019. (Contrastando com 1995, quando nenhuma empresa de tecnologia se encontrava no top 5.) Agora, todas as empresas são ou estão a tornar-se empresas digitais e de tecnologia.

A sustentabilidade é o novo digital. Consumidores, colaboradores e mesmo investidores estão cada vez mais a considerar as pegadas ambientais das empresas ao tomarem decisões comerciais. Entretanto, estados e reguladores em todo o mundo estão a implementar novas normas que irão afectar as viagens das empresas em matéria de sustentabilidade.

Estes elementos podem jogar com os pontos fortes da Europa, conduzindo a resultados gratificantes.

  • Em média, as empresas europeias são mais lentas do que os seus pares a recuperarem da pandemia. Ainda assim, a Europa tem 32% dos Líderes de Amanhã, e estas empresas estão a impulsionar a recuperação da região e o seu posicionamento para o crescimento futuro.
  • A resposta à pandemia pode indicar uma nova era de cooperação económica entre os países europeus, colectivamente como parte da UE.
  • Muitos líderes europeus já alargaram os seus horizontes através de uma maior colaboração e de ecossistemas em crescimento. Estão também a explorar a forma de colaborar para criar e escalar infra-estruturas de apoio em toda a UE.
  • Embora a Europa tenha seguido os EUA e a China na adopção digital na última década, vemos planos ambiciosos para acelerar. A UE espera duplicar o número de “unicórnios”, com 75% das empresas da UE a utilizarem cloud/AI/big data até 2030. Os líderes de topo europeus definiram a aceleração digital como prioridade máxima.
  • Os gestores de topo europeus lideram o movimento: 58% dos executivos de topo concordam que prosseguir a sua transformação sustentável é fundamental para se manterem competitivos, e uma em cada duas das empresas mais sustentáveis a nível mundial são europeias.

Os investimentos em I&D assinalarão a prontidão e o empenho na inovação. A Europa precisa de permanecer na corrida.

As inovações de amanhã serão impulsionadas pela digitalização e sustentabilidade. Os desenvolvimentos de tecnologia digital avançada estão a emergir em software, IA e computação quântica.

As inovações tecnológicas verdes estão a aumentar de forma semelhante, com os sectores relacionados com a energia, automóvel e aeroespacial e defesa a deter uma quota importante de patentes verdes.

Em média, as empresas europeias mantêm a sua presença neste concurso de inovação, com 24% das 2500 maiores empresas de I&D a contribuir para 28% do seu investimento em I&D. Mas a concorrência tem sido dura, uma vez que a Europa perdeu terreno na última década, especialmente para a China: Em 2013, a Europa estava a juntar-se aos EUA, com 35% dos investimentos em I&D. Na altura, apenas 4% dos investimentos em I&D vinham da China.

A nível da indústria, as empresas europeias continuam a ser fortes em inovação na aeroespacial e defesa e na indústria automóvel. As empresas europeias das indústrias de energia, equipamento industrial e técnico precisam de acelerar para se aproximarem dos seus pares a nível mundial.

E o mesmo acontece no sector das novas empresas tecnológicas. A Europa tem visto um crescimento significativo entre as startups no sector da tecnologia.

De facto, a Europa registou um aumento superior a 30% no investimento anual em startups nos últimos anos.

Em 2019, havia mais de 43 mil startups financiadas na Europa, que angariaram mais de 38 mil milhões de euros em capital de investimento.

O investimento em startups com objectivos específicos também está a crescer, reflectindo a tendência futura na mistura de tecnologia e sustentabilidade: Nos últimos cinco anos, os investidores forneceram mais de 16 mil milhões de euros a empresas tecnológicas com objectivos específicos ao longo de mais de três mil rondas. Do capital total investido em empresas de tecnologia europeias, 17% foram para startups com objectivos específicos.

No entanto, estes números permanecem muito atrás dos Estados Unidos da América, que têm mais do dobro de startups, beneficiando de três vezes mais financiamento.

Os investimentos em cinco tecnologias-chave são essenciais para o desenvolvimento dos campeões da indústria de amanhã. A fim de criar os líderes da indústria do futuro, a Europa terá de acelerar significativamente o investimento em tecnologias.

A maioria dos executivos de topo inquiridos pela Accenture está de acordo: O enfoque deve estar na IA (66%), 5G/6G (58%) e cloud híbrida (52%). O edge ainda não está a sair no top 5 (21%), mas está no bom caminho para tal, à medida que a produção inteligente se vai recompondo. Já se encontra no top 5 para executivos de A&D (43%). Do lado da sustentabilidade, as baterias de próxima geração (34%) são especialmente importantes nos sectores automóvel (50%) e energia/utilities (48%). A biotecnologia é fundamental para 57% dos inquiridos em farmacêutica/saúde.

O caminho à frente varia para as indústrias europeias, com a tecnologia e a S&P a enfrentarem as viagens mais longas.

Os gestores de topo europeus vêem cinco oportunidades transversais emergentes na indústria com um potencial de crescimento acentuado.

  • A maioria dos 700 líderes empresariais europeus no nosso inquérito vê a produção inteligente, saúde digital, mobilidade inteligente, indústrias com baixas emissões de CO2, e tecnologias e sistemas de hidrogénio limpo como oportunidades de topo para o futuro crescimento e liderança europeus.
  • Estes domínios estão no cruzamento de indústrias convergentes, alimentados por novas tecnologias e que exigem novos modelos de negócio baseados em ecossistemas.
  • Os actuais campeões europeus e muitas startups europeias estão a concentrar-se nestas áreas, as quais devem de facto atingir um crescimento percentual de dois dígitos.

Os investimentos e políticas favoráveis da Europa e dos governos europeus, bem como a prontidão dos cidadãos europeus, são todos motivos para liderar.

  • Estes domínios conseguem prometer um crescimento diferenciado para a Europa e novas oportunidades de criação de emprego.

Os três principais domínios emergentes em conjunto representam um enorme mercado com um potencial de crescimento de dimensão superior.

A Europa tem a possibilidade de criar cinco milhões de empregos líquidos até 2030 se os governos e as empresas tomarem medidas para acelerar a dupla transformação.

Em 2020, a pandemia causou uma eliminação líquida de 3,5 milhões de postos de trabalho na Europa, apesar dos fortes esquemas de incentivo ao emprego. O número de postos de trabalho poderia recuperar para o nível pré-crise em 2023, um ritmo muito mais rápido do que após a crise financeira global e a crise do euro, onde o nível de emprego não recuperou para os níveis de 2008 durante quase oito anos.

A dupla transformação a nível europeu tem o potencial de aumentar o emprego em 4,4 – 5,7 milhões de postos de trabalho até 2030. Mas para que esta promessa se concretize, a Accenture indica que será necessário significativos sinais macro e micro, incluindo:

  • A implementação bem-sucedida de programas de vacinação na Europa em 2021 para limitar os impactos macro de possíveis vagas e permitir a reabertura total das economias;
  • A implementação efectiva dos pacotes de despesas de recuperação europeia a partir de 2023 para apoiar a actividade económica, incluindo o investimento em tecnologia e programas de sustentabilidade a nível continental;
  • A pandemia não diminui permanentemente a participação no mercado de trabalho;
  • As empresas lideram e aceleram as suas iniciativas de sustentabilidade e transformação digital para criar novos e resistentes modelos de negócio e oportunidades de emprego;
  • Os sectores público e privado colaboram com sucesso em programas maciços de requalificação/ actualização da mão-de-obra para satisfazer a procura da indústria.


AGIR AGORA PARA OCUPAR UMA POSIÇÃO DE LIDERANÇA

O último ano trouxe inúmeras lutas e desafios em franco alívio, exigindo uma reavaliação do que deveria ser o “normal”.

A Europa e as suas indústrias, empresas e governos precisam de escolher para construir um futuro melhor.

Isto exigirá a coragem de agir com audácia. A tenacidade de trabalhadores requalificados. A confiança para colaborar através de ecossistemas e de fronteiras. A perspectiva de investir e inovar. E a vontade de liderar.

Com as expectativas económicas e as normas sociais de pernas para o ar, a Europa tem uma oportunidade não só de sobreviver, mas também de prosperar.

Resiliência. Regionalização. Convergência da indústria. Aceleração digital. Sustentabilidade. Estes são os componentes do novo paradigma de crescimento na Europa, uma sociedade mais forte, mais saudável e mais sustentável, se agarrarmos a oportunidade em conjunto, agora.

Artigo publicado na Revista Executive Digest n.º 183 de Maio de 2021

Ler Mais


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.