O mercado de trabalho – uma novidade?

Por Pedro Fontes Falcão, gestor e Director do Executive MBA do ISCTE

No mês passado escrevi sobre o surgimento de plataformas digitais com trabalhadores “gig” / “freelancers” com elevadas competências, que começam a estar mais disponíveis nessa espécie de “bases de dados” de talento.

Um estudo realizado antes do surgimento da pandemia surpreendeu pelo facto de que a grande maioria dos administradores de grandes empresas considerava que iriam usar essas plataformas e que poderiam ser algo ou muito importantes para obter uma vantagem competitiva nos próximos anos.

Será que este modelo de quadros qualificados com parte temporários e parte efetivos vai ajudar os gestores a terem o talento certo no projeto certo no momento certo?

O modelo não é fácil de implementar em países como Portugal. Por um lado, a rotação de empregos é menor que nos EUA e a maior facilidade com que as empresas despedem nesse país leva, entre outros, a que os trabalhadores vejam a relação com as empresas de forma mais flexível. Num contexto como em Portugal, os temporários podem ser mais facilmente vistos como os “outros” e não como parte da equipa.

O timing atual da “ressaca” do final de pandemia também pode não ser o melhor. Embora, por um lado, as empresas queiram mais flexibilidade, depois de se aperceberem que as receitas podem ser mais voláteis do que se esperava antes da pandemia, querendo aumentar a “variabilização” dos custos, reduzindo a proporção de custos fixos. Esta perspetiva beneficia o negócio de quadros qualificados temporários.

Contudo, por outro lado, a preocupação com a gestão da cultura organizacional também aumentou, especialmente tendo em conta que as pessoas não têm estado todas em simultâneo no mesmo espaço físico, e que os trabalhadores recrutados no último ano e meio nunca estiveram fisicamente juntos com quase nenhum colega.

Ora, neste contexto, estar a acrescentar complexidade à gestão da cultura organizacional ao introduzir elementos “estranhos” à mesma não é positivo. Ademais, há poucas culturas organizacionais abertas a receber bem trabalhadores qualificados temporários.

Para além da cultura organizacional, será necessário rever políticas e processos chave na gestão de talento. Por exemplo, a identificação de perfis, o processo de recrutamento, de remuneração, de finalização do contrato, entre outros. As questões de remunerações podem tornar-se um tema mais sensível e difícil de gerir. A nível de outras políticas, levantam-se questões como o acesso a informação e outros deveres e obrigações de um trabalhador “normal”.

Os gestores terão de conseguir gerir estes dois tipos de trabalhadores, e conseguir juntá-los e formar equipas produtivas e focadas em criar valor numa perspetiva de longo prazo. À primeira vista, não parece uma tarefa fácil.

Finalmente, deverá haver um administrador que deverá ser o responsável pelo processo de transformação, para poder dar mais força a esse processo de mudança.

Há muitos anos, estive na equipa de um projeto semelhante a este (mas mais focado em restruturação de empresas) que acabou por não ter sucesso. E continuo a achar que este negócio não se consiga facilmente impor em Portugal nos próximos tempos. Mas pode ser que eventual “moda” dos EUA cá chegue…

Ler Mais

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.