O futuro das transmissões desportivas

Por Manuel Falcão – sfmedia.org

 

COM O INÍCIO DAS MEDIDAS DE DESCONFINAMENTO em vários países a maior parte das organizações ligadas a eventos desportivos de grande dimensão ambiciona que chegue rapidamente o dia em que multidões possam voltar a assistir ao vivo aos seus desportos favoritos, complementando a economia do sector que tem só vivido desde há um ano de transmissões televisivas. No entanto, há dados que indicam que o interesse das gerações mais novas pelas transmissões tradicionais pode estar abaixo daquilo que é esperado. Um estudo recente realizado em Itália e divulgado pelo diário La Repubblica indica que a Geração Z (os nascidos entre 1996 e 2010) já não tem paciência para assistir a transmissões integrais e prefere ter acesso a resumos com os momentos decisivos dessas competições. Algumas empresas tecnológicas estão já a procurar seguir esta tendência: a Buzzer é uma aplicação que permite ver os momentos salientes, por exemplo de um jogo de futebol – a aplicação envia uma mensagem quando um novo destaque, dentro da esfera de interesses do utilizador, está disponível e ele poderá vê-lo a partir de qualquer smartphone mediante o pagamento de cerca de 80 cêntimos. A Buzzer posiciona-se trabalhando em conjunto com os detentores dos direitos de transmissão das competições e procura criar uma nova fonte de receitas.

A venda avulsa de conteúdos já é comum no digital mas por enquanto não é frequente no modelo dos canais por subscrição. No entanto alguns canais de transmissões desportivas europeus já têm um modelo que permite comprar o visionamento jogo a jogo e outros por exemplo modalidade a modalidade. No fundo é o mesmo modelo dos jornais digitais que permitem comprar um artigo apenas, ou de serviços como a Apple TV que permite adquirir visionamentos de um filme. Em Portugal comprar transmissões isoladas não tem sido possível embora a Eleven, que é recente no nosso mercado, tenha algumas modalidades de venda segmentada. Com a concorrência a crescer e até plataformas internacionais a adquirirem direitos desportivos, a vida fica mais difícil para os canais mais antigos. A Sport TV registou um prejuízo de 5,7 milhões de euros no ano passado, um agravamento de 569% face ao período homólogo, isto apesar de os assinantes de TV paga em Portugal terem triplicado em 20 anos – 93% das famílias utilizam o serviço, metade delas através de fibra óptica. O grande trunfo da SportTv continua a ser a transmissão das competições portuguesas. Só por si isso pode não ser suficiente, à medida que forem testadas outras formas de comercialização dos conteúdos desportivos. O modelo de negócio tradicional das assinaturas fixas provavelmente tem os dias contados na forma em que existe hoje.

 

Artigo publicado na Revista Executive Digest n.º 182 de Maio de 2021

Ler Mais

Artigos relacionados
Comentários
Loading...