Empresa espanhola quer transformar Portugal num hub de telemedicina e robótica

A Atrys Health, um gigante espanhol da saúde, pisou Portugal para se expandir ainda mais para o mundo lusófono. A empresa adquiriu dois grandes grupos do mesmo setor: a Lenitudes, e a Genetyca ICM, que realiza mais de três mil testes genéticos por ano. O objetivo é claro: criar uma rede de telemedicina semelhante à que há existe no mercado espanhol e na América Latina, mas na lusofonia, com um foco especializado na oncologia.

Para o chairman, Santiago de Torres Sanahuja, antigo diretor geral do Ministério da Saúde espanhol, a escolha por Portugal foi clara: “Queríamos a expansão europeia, mas sobretudo sabíamos que aqui há bons profissionais, profissionais de excelência, É muito fácil arranjar máquinas para tratamentos e diagnóstico, mas é difícil encontrar pessoas”, explica.

Confrontado se a carga fiscal do país, ou a burocracia não impediu a operação, Santiago de Torres Sanahuja avançou que “não tivemos problemas”.

Depois do celebrado o negócio, o CEO foi recebido há três semanas pela ministra da Saúde, Marta Temido, que fez questão de saber quais “seriam as nossas estratégias em Portugal”. Questionado pela Executive Digest  se, durante o encontro, não foi discutido uma possível parceria, o executivo adiantou apenas “que gostaríamos muito de o fazer, como aliás já realizamos de forma geral em Espanha”, sem adiantar mais detalhes.

Para explicar o projeto, o executivo recorreu a um exemplo: “Nós vamos para lá da telemedicina, com um médico online, nós também trabalhamos com exames e diagnóstico. Se alguém faz um exame em Espanha ao final da tarde, não precisa de esperar pelo dia a seguir para o ter, pode ser enviado para a Colômbia onde é de tarde, durante a noite, no horário de Madrid, e consegue os resultados no próprio dia”, esclareceu.

A empresa quer fazer o mesmo nas comunidades lusófonas e no interior do território nacional. “Há muito poucos especialistas em Angola, e os que há, acabam por emigrar, para o Brasil ou para Portugal. Assim com esta tecnologia, um médico que está em Lisboa pode atender um paciente em Luanda”. Torres Sanahuja quer replicar este sistema para o território nacional de forma a atender regiões, como o Alentejo, onde faltam profissionais de saúde.

Questionado sobre qual  a sua opinião sobre a gestão do big data e a utilização da inteligência artificial nas consultas online, através da constituição de um robot, o CEO, da maior empresa de telemedicina do mercado castelhano, lembrou que o “big data é cada vez mais importante, os médicos tem de se aliar aos matemáticos, ainda que tenha de ser uma digitalização humanista”.

O executivo avançou ainda que a empresa já tem um sistema de IA automático que, no caso dos eletrocardiogramas para pacientes não doentes, um “robot” verifica se o exame está dentro dos parâmetros. Se estiver dentro, “a pessoa é chamada a vir a outro exame de rotina, dentro de um ano, senão é encaminha para um especialista”, explicou o responsável.

Santiago de Torres Sanahuja  adiantou ainda que a companhia pretende alargar este método para outras áreas, como aos exames de oftalmologia, de rotina para diabéticos, entre outras situações.

Ler Mais



loading...

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.