Reino Unido: Refugiados ameaçados com ida para o Ruanda por queixas contra o Governo

Os requerentes de asilo que se queixam das más condições nos hotéis que o Reino Unido proporciona foram ameaçado com ida para o Ruanda, segundo o novo relatório da Ação de Refugiados de Caridade, intitulado ‘Alojamento Hostil: How the Asylum System Is Cruel By Design’.

Desta pesquisa fizeram parte 100 requerentes de asilo que ficaram instalados em hotéis na cidade de Londres, Manchester, West Midlands e Bradford, tanto adultos solteiros como famílias, que revelaram falta de condições em hotéis e outros alojamentos de asilo, avança o jornal britânico The Guardian.

O relatório informa que, para além de lhes ser dito para não se queixarem, os funcionários do Reino Unido informaram-nos que caso o fizessem e comentassem a qualidade dos alimentos que lhes são servidos, a polícia seria chamada, estando proibidos de fotografar os alimentos para comprovar a sua qualidade.

O sistema de alojamento dos requerentes de asilo, que conta com mais de 50 mil hotéis, é considerado “um sistema nacional de segregação racializada e detenção de facto”, segundo o documento que dá conta de que os requerentes de asilo estão a ser alojados nestes locais por períodos cada vez mais longos.

Um em cada três adultos e mais de uma em cada quatro famílias com crianças está alojada em hotéis há mais de um ano. Há o registo de uma família de seis pessoas que viveu num quarto durante mais de um ano, relata a análise ao alertar que se o novo projeto de lei da imigração que agora passa pelo parlamento for implementado, a situação vai piorar.

As preocupações salientadas no relatório incluem:

  • Mais de metade queixa-se de sobrelotação, falta de privacidade e ter de passar mais de seis meses a viver num hotel. Alguns adultos solteiros já passaram mais de dois anos e meio em hotéis;
  • Três quartos relataram alimentos de baixa qualidade ou inadequados e dizem que enfrentam fome ou desnutrição. Um número semelhante está a enfrentar problemas de saúde mental;
  • A maioria dos requerentes de asilo que a instituição de caridade está a apoiar são pessoas de cor;
  • Há numerosos casos de mães incapazes de continuar a amamentar porque se tornaram desnutridas devido à comida dos hotéis e algumas crianças perderam peso;
  • Um terço das famílias diz que os filhos não têm acesso à educação.

O documento destaca ainda casos individuais, incluindo uma pessoa com deficiência motora presa no 11º andar de um hotel com um elevador disfuncional e um empreiteiro que pediu a um médico de clínica geral para não escrever uma carta de apoio à saúde para um requerente de asilo a defender uma transferência, uma vez que poderia exercer pressão sobre o seu sistema de alojamento.

As infestações por pragas e roedores são comuns juntamente com a humidade, bolor e inundações. Houve também casos em que os tetos dos edifícios colapsaram e resultaram em vários feridos, entre os quais um bebé.

Ler Mais



a carregar...

Comentários
Loading...