Regulador autoriza compra das rádios SBSR e Festival do Norte pela Medialivre, dona do Correio da Manhã

A Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERC) autorizou a Medialivre, dona do Correio da Manhã, CMTV, Negócios, entre outros, a comprar as rádios SBSR e Festival do Norte à promotora Música no Coração.

Segundo as deliberações publicadas na página do regulador, em 19 de fevereiro deu entrada na ERC – Entidade Reguladora para a Comunicação Social um pedido da Sociedade Franco Portuguesa de Comunicação, titular da licença da Rádio SBSR, para autorização prévia de alteração de domínio.

“Requer o operador autorização para transmissão da totalidade do capital social, atualmente detido por Música no Coração, Sociedade Portuguesa de Entretenimento, Unipessoal, Lda., a favor de Medialivre, S.A.”, lê-se no documento.

No pedido, argumenta-se que a transmissão “permitirá garantir a continuação do exercício da atividade de rádio, agora com um novo acionista com ‘know how’, prestígio, recursos financeiros e humanos, bem como ampla experiência na área da comunicação social, que, reconhecendo o potencial, demonstrou interesse e assumiu o compromisso de o transformar numa referência nacional”.

Na mesma data, deu também entrada na ERC um pedido de alteração de domínio da Rádio Festival do Norte para a Medialivre.

Nos dois casos, o regulador decidiu “deferir o pedido de autorização prévia para a cedência da totalidade do capital social”.

Em dezembro, foi anunciado que a Cofina Media passava a chamar-se Medialivre, após a compra da dona do Correio da Manhã, CMTV e Negócios, entre outros, pelos quadros da empresa (MBO), aprovada em outubro pelos acionistas.

Fazem parte da proposta do MBO a equipa de gestão da Cofina Media, quadros da empresa e um conjunto de investidores, entre os quais Luís Santana, Ana Dias, Octávio Ribeiro, Isabel Rodrigues, Carlos Rodrigues, Luís Ferreira, Carlos Cruz, Cristiano Ronaldo, Domingos Vieira de Matos, Paulo Fernandes e João Borges de Oliveira, através da sociedade veículo Expressão Livre SGPS.

“A Medialivre sucede assim à Cofina Media, reconhecida desde 1990 como um dos mais importantes e influentes grupos de media de Portugal, iniciando hoje um novo capítulo na sua história”, referiu a empresa, em comunicado.

Para o presidente executivo (CEO) da Medialivre, Luís Santana, “a criação de uma nova identidade que agrega títulos e meios claramente líderes nos seus segmentos, representa uma evolução na continuidade, mantendo a solidez do projeto económico e garantindo a liberdade e a independência dos meios de comunicação”.

Ler Mais