Operação Maestro: PJ realiza 20 buscas a alegados cúmplices de Manuel Serrão

A Polícia Judiciária realizou, esta manhã, cerca de 20 buscas a fornecedores de serviços e bens, a maioria ligados a eventos de moda, sob suspeita de terem sido cúmplices de Manuel Serrão em despesas fictícias de fornecimento com faturas falsas, avança a ‘CNN Portugal’.

A Operação Maestro, cujo principal suspeito é o empresário do norte, aponta que desde 2015 Serrão e outros suspeitos “decidiram captar, em proveito próprio e das empresas por si geridas, os subsídios atribuídos à Associação Selectiva Moda e às sociedades No Less e House of Project – Business Consulting”.

Manuel Serrão foi constituído arguido em maio último, por suspeitas de ser “o principal mentor” de um alegado esquema fraudulento na obtenção de fundos europeus que terão rendido 39 milhões de euros para 14 projetos cofinanciados por fundos europeus.

O Ministério Público (MP) considera o empresário portuense e vogal da Associação Selectiva Moda “o principal mentor” de um alegado esquema na obtenção de subsídios comunitários e que levou a Polícia Judiciária a realizar, em 19 de março, 78 buscas no âmbito da Operação Maestro, na qual são também suspeitos o jornalista Júlio Magalhães, António Sousa Cardoso, que liderou a Associação de Jovens Empresários, e António Branco e Silva.

A investigação sustenta que, pelo menos desde 2015, Manuel Serrão, António Branco e Silva e António Sousa Cardoso, “conhecedores das regras de procedimentos que presidem à candidatura, atribuição, execução e pagamento de verbas atribuídas no âmbito de operações cofinanciadas por fundos europeus, decidiram captar, em proveito próprio e das empresas por si geridas, os subsídios atribuídos à Associação Selectiva Moda e às sociedades No Less e House of Project – Business Consulting”.

“No âmbito dessas operações cofinanciadas, através, designadamente, da apresentação e utilização como documentos de despesa aos projetos submetidos, com vista ao respetivo reembolso, faturas suspeitas de se tratar de negócios simulados, sem correspondência a serviços prestados nos projetos, ou, ainda faturas com valores sobrefaturados”, frisa o MP, num despacho judicial a que a Lusa teve anteriormente acesso.

Segundo a investigação, as entidades beneficiárias controladas pelos suspeitos, “através da montagem de justificações contratuais, designadamente referentes a prestações de serviços e fornecimento de bens ou serviços”, obtiveram a aprovação e pagamento de incentivos no valor global de, pelo menos, 38.938.631,46 euros, através de 14 projetos, cofinanciados pelo FEDER.

O MP sustenta que os três suspeitos “obtiveram o comprometimento de pessoas da sua confiança, do seio do seu círculo de amizades”, como o jornalista Júlio Magalhães, “mas também do mundo empresarial, e em particular da área do setor têxtil, casos de Paulo Vaz, João Oliveira da Costa e Mário Genésio”.

‘Operação Maestro’: escutas entre Júlio Magalhães e Manuel Serrão duraram meses e dão conta de negócios suspeitos

Mãe, namorada e cunhado: Manuel Serrão suspeito de fazer circular milhões entre contas dos familiares

‘Operação Maestro’. Megaoperação da PJ por alegada fraude nos fundos europeus: Manuel Serrão e Júlio Magalhães entre os suspeitos

Ler Mais