Mansão de luxo de Ministro do Congo em Cascais foi a leilão e rendeu 11,2 milhões ao Estado

O leilão de uma luxuosa moradia T7 localizada na Quinta da Marinha, em Cascais, que possui três pisos, piscina, sala de jogos, sala de cinema com 11 poltronas, várias casas de banho, incluindo uma com sauna e banho turco, além de um ginásio e outras comodidades, terminou na manhã desta quarta-feira, 10 de julho, na plataforma e-leilões.

Foi colocada à venda a 5 de junho por um valor base de aproximadamente 9,8 milhões de euros, e o lance final fixou-se nos 11.177.463,49 euros, revela o ‘Negócios’.

O leilão foi realizado pela justiça portuguesa, que confiscou a mansão em 2016 durante a operação Rota do Atlântico, que resultou na detenção dos empresários José Veiga e Paulo Santana Lopes. A operação envolve suspeitas de corrupção no comércio internacional, tráfico de influências, participação económica em negócios, associação criminosa, fraude fiscal e branqueamento de capitais. Entre os arguidos está Gilbert Ondongo, ministro das Finanças do Congo, que, segundo a investigação, era o proprietário da moradia de luxo.

A investigação da Polícia Judiciária revelou que José Veiga representava a empresa brasileira Asperbas no Congo e teria subornado governantes congoleses, incluindo Ondongo, para obter contratos de obras públicas. O processo também menciona ofertas como avestruzes, póneis, mil vacas, um cavalo lusitano, viagens e imóveis, incluindo um apartamento no edifício Trump International Hotel and Tower Condominium em Nova Iorque, para a filha do Presidente do Congo.