E agora Portugal? “Diferenciação fiscal positiva para o turismo”: António Pinto Coelho, CEO do grupo Onyria

Na sua opinião, quais deviam ser as prioridades do novo Governo em termos de reformas para que Portugal tenha um crescimento sustentável para o futuro?
Há a necessidade urgente de aumento da competitividade fiscal das empresas. O imposto sobre as empresas em Portugal é o segundo mais elevado da OCDE.  Urgente também são os incentivos à atracção e retenção de mão-de-obra qualificadas. Para que uma pessoa receba 1500 euros, a empresa tem um custo salarial do dobro. Outras prioridades do novo Governo, como por exemplo: 

  1. Redução de IRC para zero no caso do reinvestimento dos resultados obtidos;
  2. Celeridade das decisões nos tribunais e da sua execução;
  3. Flexibilidade laboral e salarial para coincidir com a sazonalidade e a ciclicidade da indústria hoteleira;
  4. Rede de transportes funcional entre as zonas urbanas e limítrofes, uma vez que a habitação nas zonas urbanas se tornou financeiramente inacessível; 
  5. Decisão expedita e pragmática sobre expansão do aeroporto de Lisboa, Faro e Porto; 
  6. Diferenciação fiscal positiva para o turismo, dada a sua contribuição para as exportações líquidas.

Atendendo ao actual contexto, que expectativas a nível macroeconómico para Portugal?
As expectativas são conservadoras, dada a dependência das reformas a efectuar, nomeadamente as referidas anteriormente, e da estabilidade governativa com políticas transversais estáveis que permitam crescimento.

E quais são as expectativas para o seu sector?
Os empresários são por natureza optimistas. A refrear esse mesmo optimismo assinala-se a concorrência internacional cada vez mais forte e agressiva que terá de ter a mesma resposta no nosso Portugal.
É crucial a linha de alta velocidade Lisboa-Madrid, Lisboa-Porto-Vigo e o aumento rápido da capacidade dos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro.
E necessidade de apoios ao investimento na introdução de políticas que sejam amigas do ambiente, nomeadamente na redução dos consumos de água e energias.