Blinken volta ao Médio Oriente para promover proposta de cessar-fogo

O secretário de Estado norte-americano Antony Blinken desloca-se na próxima semana ao Médio Oriente para promover uma proposta de cessar-fogo entre Israel e o Hamas, anunciou hoje o Departamento de Estado.

Blnken, que efetua a sua oitava visita à região desde o início do atual conflito israelo-palestiniano em 7 de outubro, irá manter contactos em Israel, Egito, Qatar e Jordânia entre 10 e 12 de junho, precisou o seu ministério.

“Vai discutir com os seus parceiros a necessidade de chegar a um acordo de cessar-fogo que garanta a libertação de todos os reféns”, indicou em comunicado o porta-voz do Departamento de Estado.

A mesma fonte acrescentou que o secretário de Estado norte-americano também irá “sublinhar a importância para o Hamas de aceitar a proposta sobre a mesa, que é quase idêntica à que o Hamas aprovou no mês passado”.

Na sua deslocação, Antony Blinken insistirá sobre o facto de esta proposta beneficiar em simultâneo israelitas e palestinianos, segundo o porta-voz.

Irá ainda sublinhar que o novo documento “atenuará os sofrimentos em Gaza, aumentará massivamente a ajuda humanitária e permitirá aos palestinianos que regressem aos seus bairros”.

O chefe da diplomacia de Washington também argumentará que a proposta permitirá “restabelecer a calma ao longo da fronteira norte de Israel, para que as famílias israelitas de libanesas deslocadas possam regressar a suas casas”.

O Presidente norte-americano Joe Biden, um fervoroso apoiante de Israel mas que procura uma saída rápida para o conflito em plena campanha para a sua reeleição, detalhou em 31 de maio as grandes linhas de um plano por etapas, que disse ter sido proposto por Israel.

Este roteiro prevê um cessar-fogo duradouro entre o Exército israelita e o Hamas na Faixa de Gaza com uma progressiva libertação dos reféns detidos no enclave.

Os Estados Unidos estão empenhados numa intensa campanha diplomática para garantir apoios a esta proposta.

Na quinta-feira, um alto responsável do Hamas declarou que o plano apresentado por Biden não constitui uma “nova proposta”.

“Até agora, os americanos não apresentaram qualquer documento que os comprometa a respeitar o que Biden disse no seu discurso”, afirmou.

Por sua vez, um porta-voz do Governo israelita considerou que o plano é “incompleto”.

Na Jordânia, Blinken assistirá a uma conferência sobre a resposta humanitária destinada à Faixa de Gaza.

A guerra em curso entre Israel e o Hamas na Faixa de Gaza foi desencadeada por um ataque sem precedentes do grupo islamita palestiniano em solo israelita, em 07 de outubro de 2023, que causou cerca de 1.200 mortos e mais de duas centenas de reféns, segundo Telavive.

Em represália, Israel lançou uma ofensiva em Gaza que já provocou mais de 36 mil mortos e uma grave crise humanitária no território, de acordo com as autoridades tuteladas pelo Hamas, grupo classificado como uma organização terrorista pelos Estados Unidos, Israel e União Europeia.

Na quinta-feira, Israel bombardeou uma escola da agência das Nações Unidas para os refugiados palestinianos (UNRWA, na sigla em inglês) no centro de Gaza que albergava deslocados, provocando cerca de 40 mortos, incluindo pelo menos 12 mulheres e crianças, de acordo com as autoridades de saúde locais.

Ler Mais