António Costa tem à sua espera em Bruxelas salário de mais de 31 mil euros mensais

A chegada de António Costa à presidência do Conselho Europeu vem acompanhada por um ‘chorudo’ salário: nada menos do que 31,2 mil euros mensais como vencimento base, num total de 375 mil euros anuais, indica esta terça-feira o ‘Correio da Manhã’.

Os ordenados dos altos cargos da União Europeia são do conhecimento público e estão definidos no regulamento 2016/300 do Conselho de 29 de fevereiro de 2016, atualizado pelos índices publicados no ‘Jornal Oficial da União Europeia’ (2022/C 474/10).

À espera do ex-primeiro-ministro português está um ordenado semelhante ao do presidente da Comissão Europeia, cargo até aqui ocupado por Ursula von der Leyen, e é calculado aplicando a percentagem de 138% ao último escalão do último grau dos vencimentos dos funcionários da União Europeia. A acompanhar estão ainda vários subsídios e abonos que pretendem facilitar a instalação e a vida do presidente em Bruxelas.

Entre os quais constam subsídio de instalação no momento da entrada em funções; subsídio de reinstalação no momento da cessação de funções; reembolso das despesas de viagem efetuadas por si próprio e para os membros da sua família; reembolso das despesas de mudança do mobiliário e bens pessoais, incluindo despesas de seguro com a cobertura de riscos correntes, tais como roubo, quebra e incêndio, até ao limite fixado para os funcionários da instituição; subsídio de residência igual a 15% do seu vencimento base; subsídio mensal de representação (1.418,07 euros); reembolso das despesas de viagem; reembolso das despesas do hotel (quarto, serviço e taxas, com exclusão de quaisquer outras despesas; subsídio mensal de reintegração a partir do primeiro dia do mês seguinte àquele em que um titular de um cargo público cessa funções; pensão de reforma vitalícia a partir dos 66 anos.

Recorde-se que António Costa, como primeiro-ministro português, auferia um salário de 8.296 euros brutos, aos quais acresciam 3.318 euros a título de despesas de representação (40% do vencimento).

Conselho Europeu ‘espera’ António Costa: o que é, para que serve e o que defende o ex-primeiro-ministro para a UE

Ler Mais