Antigo Presidente brasileiro Collor de Mello condenado por corrupção

O antigo Presidente brasileiro de centro-direita Fernando Collor de Mello (1990-1992) foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal por corrupção e branqueamento de capitais, no âmbito do escândalo Lava Jato.

Oito dos dez juízes pronunciaram-se a favor da condenação. O juiz relator do processo, Edson Fachin, sugeriu uma pena de 33 anos de prisão, mas esta só será anunciada a 31 de maio.

Primeiro chefe de Estado a ser eleito por sufrágio universal direto após a ditadura militar, Collor, de 73 anos, é acusado de receber 20 milhões de reais (cerca de 3,8 milhões de euros) em subornos entre 2010 e 2014, quando era senador.

Fachin considerou que o antigo Presidente usou a “influência política para facilitar a assinatura de contratos”.

De acordo com o Ministério Público, cerca de 40 pagamentos foram feitos para “facilitar irregularmente” a assinatura desses contratos entre uma empresa de construção e uma subsidiária da empresa petrolífera estatal Petrobras.

A defesa refutou todas as acusações.

A investigação foi aberta no âmbito do escândalo Lava Jato, que abalou o Brasil a partir de 2014.

Collor de Mello governou o Brasil entre 1990 e 1992, quando renunciou no momento em que o Congresso do país se preparava para concluir um processo de destituição por corrupção passiva, acusação da qual seria posteriormente absolvido pela Justiça.

Regressou à política em 2006, sendo eleito senador por Alagoas (nordeste), cargo que ocupou até ao final do ano passado.

Ler Mais



loading...

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.