João Paulo Velez, Santander : XIX Barómetro Executive Digest

O primeiro semestre deste ano parece ter deixado os empresários portugueses animados. Mais de metade (52%) consideram que a facturação no período aumentou em relação a idêntico intervalo de 2020 e mesmo 33% dizem registar melhores resultados do que no ano de 2019 quando a pandemia ainda não se tinha. No entanto, algo contraditoriamente, só 21% acreditam que a sua actividade económica atingirá este ano o nível anterior ao COVID enquanto a maioria dos inquiridos (43%) acham que isso só ocorrerá em 2023. Para garantir a solidez da recuperação da economia os empresários consideram maioritariamente o apoio às empresas nas saídas das moratórias (55%) e a estabilidade fiscal (48%). Para além do turismo, consideram que as principais alavancas de crescimento do PIB serão as indústrias técnicas especializadas (36%) e os centros tecnológicos e de competências (31%). Como factores diferenciadores para as suas empresas, uma clara maioria dos inquiridos aponta a melhoria da experiência do cliente (52%), seguida da melhoria de gestão de risco e agilidade (29%) a par da revisão da estratégia de negócio (29%). A descrença com o PRR parece manter-se neste barómetro, com 48% a achar a “bazuca” pouco relevante para as suas empresas enquanto 38% afirmam considerar os princípios ESG (Environment, Social, Governance) nas suas decisões de investimento, num progressivo alinhamento com as preocupações que impactam com a vida do planeta. Finalmente, o teletrabalho: quase metade (43%) admitem manter programas após o final das medidas sanitárias entre 20% e 40% do tempo de trabalho total realizado na empresa, num sinal que algumas das tendências geradas com a pandemia estão para ficar.

Testemunho publicado na edição de Agosto (nº. 185) da Executive Digest, no âmbito da XIX edição do seu Barómetro.



Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.