Gustavo Guimarães: XVII Barómetro Executive Digest

O povo português diz com toda a sabedoria: longe da vista, longe do coração. Parece-me ser este o grande alerta que as empresas em Portugal estão a dar ao Governo nesta segunda fase da pandemia, pois o país não está suficientemente focado em dar prioridade ao emprego, crescimento e sua sustentabilidade. No meio de altos e baixos, medidas e discussões, burocracia pelo meio, as empresas sentem-se insuficientemente apoiadas. Ao ponto de, à pergunta qual a medida de apoio que foi mais importante, a resposta com mais votos (32%) é “nenhuma”. Nenhuma? Só mesmo um afastamento do governo à realidade empresarial pode explicar um painel como este afirmar tal coisa. 54% consideram a Administração Pública pouco adequada para fazer chegar a ajuda às empresas e 56% consideram que não é este ano que poderemos voltar à normalidade. Um exemplo paradigmático é a recente polémica sobre o Pagamento Por Conta do IRC que o parlamento, através da lei orçamental, veio dispensar as micro e PME de o fazer e o governo resolveu decretar que afinal estas empresas têm de continuar a “pagar por conta”, ao arrepio da lei. A Ordem dos Contabilistas veio dizer que o governo não pode fazer isso e o país das empresas assiste arrepiado e incrédulo. Com tal falta de sensibilidade e arrogância perante a lei, qual pode ser a reacção das empresas? Elegemos a flexibilidade como o factor mais decisivo para o nosso futuro (84%), muito acima do conhecimento tecnológico (30%) ou da criatividade (26%) e elegemos a resiliência (44%) como a palavra que melhor resume 2021. Devemos estar mais perto, da vista e do coração. Devemos ser um país mais unido pela mesmo objectivo, a melhoria do rendimento disponível (per capita) dos portugueses!

Testemunho publicado na edição de Abril (nº. 181) da Executive Digest, no âmbito da XVII edição do seu Barómetro.



Artigos relacionados
Comentários
Loading...