Futuro do mutualismo passa pelo alargamento de serviços e benefícios, revela estudo

O futuro do movimento mutualista tem de passar pelo alargamento de serviços e benefícios e mudar o foco das ofertas tradicionais para um modelo flexível e diversificado, conclui um estudo do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE).

Segundo o relatório final do Estudo de Caracterização do Movimento Mutualista em Portugal, elaborado para a União das Mutualidades Portuguesas, e coordenado por Luís Capucha, a saúde, as pensões complementares, as respostas sociais, a literacia e formação, os seguros e as iniciativas de integração comunitária destacam-se entre as áreas de crescimento.

“O desenvolvimento destas áreas é fundamental para a sustentabilidade financeira das instituições e para a captação de associados”, refere o estudo a que a Lusa teve acesso.

Os serviços na área da saúde, as farmácias sociais e a comparticipação de medicamentos têm vindo a “crescer exponencialmente” no associativismo mutualista, mas “revelam ainda um potencial muito grande de crescimento”, embora seja realçado que a sustentabilidade depende de um trabalho em rede e de estruturas profissionalizadas.

A exploração de nichos com reduzida oferta pública, como a saúde oral ou a fisioterapia e reabilitação são apontadas como vertentes onde o mutualismo “pode ser competitivo e ter um papel relevante”.

De acordo com o mesmo documento, a promoção de produtos como cartões de acesso a cuidados de saúde “pode ser reforçada” e o projeto do seguro de saúde mutualista “mantém a sua pertinência”, mas precisa de dimensão e volume de negócios.

As caixas económicas e os seguros são valências que têm vindo a perder espaço e o estudo sugere que “áreas como o microcrédito e os seguros de cobertura de risco social podem ser vias para a manutenção da presença mutualista nestes setores”.

Outras das áreas de expansão apontadas são os serviços sociais e culturais, nomeadamente na terceira idade, o turismo social e serviços de apoio às famílias, como creches, escolas ou espaços de ocupação dos tempos livres.

Potenciar um ´cluster`, através da criação de residências para associados na terceira idade, complementadas com seguros, serviços de saúde e atividades sociais e culturais são soluções indicadas pelo relatório como um “exemplo inovador neste campo”.

“O desenvolvimento destas áreas também pode ser uma forma de captação de associados mais jovens, que querem beneficiar de serviços de qualidade no imediato e antecipar necessidades futuras”, é referido.

Para que isso aconteça, “a qualidade dos produtos é fundamental”, para se distinguirem positivamente das ofertas públicas existentes, a um custo competitivo relativamente ao setor privado.

“O futuro do mutualismo passa ainda, forçosamente, pela introdução de elementos de inovação nos produtos e projetos desenvolvidos”, defende o estudo, que acrescenta a importância do trabalho em rede (como 69% já trabalham), da partilha de boas práticas entre associações, da aposta na qualificação dos recursos humanos, da flexibilização e destacou a capacidade de adaptação das mutualistas ao longo dos tempos, para responderem às necessidades emergentes.

Embora a diversificação das ofertas de serviços e produtos sociais seja mencionado como “um caminho inevitável”, o documento alerta que este processo não pode perder de vista “a orientação primeira das associações para os seus associados”.

O mutualismo, movimento civil de solidariedade e previdência, que visa promover os valores da reciprocidade, da proteção e do desenvolvimento integral dos sujeitos, existe há 200 anos e contava em 2018 com 101 associações, com maior presença nos distritos do Porto e Lisboa.

O mesmo estudo frisou este é “um setor dinâmico, com uma capacidade instalada ao nível dos equipamentos e serviços por todo o território nacional, que disponibiliza benefícios e serviços sociais a mais de um milhão de associados e 2,5 milhões de beneficiários” e que ao nível da previdência desenvolve-se numa lógica de complementaridade à ação do Estado, “em concorrência com as empresas de mercado”, e que tem nas quotizações dos sócios metade da receita do seu financiamento.

A atividade principal desenvolvida pelas associações mutualistas são os serviços sociais, que concentram 70% das entidades.

A dificuldade em captar jovens e mulheres associados, a falta de visibilidade e reconhecimento, que se traduz, por exemplo, na ausência de referência ao setor no Plano de Recuperação e Resiliência, e as “dificuldade de competitividade das ofertas mutualistas perante a concorrência agressiva do setor privado” são obstáculos sublinhados no documento.

A implantação nos territórios, tendo um papel de “desenvolvimento económico e social”, a capacidade instalada e a crescente necessidade de ofertas sociais complementares são vistas como oportunidades do movimento mutualista.

O estudo acrescenta que o crescimento estratégico e sustentado, a ampliação de valências e alargamento da rede, a modernização de instrumentos de gestão e implementação de instrumentos de planeamento e a aposta na divulgação do mutualismo são as áreas de intervenção prioritária.

Ler Mais


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.