Explicador: Como pode a subida da Euribor afetar a prestação do crédito habitação?

O Banco Central Europeu (BCE) anunciou no dia 8 de setembro que decidiu aumentar em 75 pontos base as suas três taxas de juro diretoras, o segundo aumento consecutivo deste ano. Esta decisão, teve como consequência uma subida acentuada da Euribor, subindo a três meses, a seis e a 12 meses, atingindo novos máximos em todos os prazos, um dia depois de o organismo ter voltado a subir as suas taxas diretoras.

O aumento da Euribor refletiu-se posteriormente no aumento das prestações da casa a pagar pelas famílias que contraíram um crédito habitação de taxa variável e, embora o aumento seja generalizado, não afeta da mesma forma a todos os créditos habitação de taxa variável​​, variando em função do ano em que foram contratados e do valor já pago, explica o Idealista.

Numa análise, a plataforma de compra e venda de imóveis dá conta de que “a grande maioria dos créditos habitação de taxa variável ​​que são assinados no nosso país utilizam o sistema de amortização francês, o que quer dizer que no início do contrato a maioria da prestação destina-se ao pagamento de juros e o restante à amortização do capital em dívida. E à medida que os anos vão passando começa-se a pagar menos juros e mais capital, até que no final do empréstimo praticamente só se pagará o capital. Esta é a razão pela qual o impacto do aumento da Euribor não será o mesmo no caso para um crédito habitação contratado em 2021 e para outro contratado em 2005, por exemplo”.

Assim, os especialistas do idealista/créditohabitação fizeram uma simulação, tendo em conta o financiamento de 150.000 euros, Euribor a 12 meses (a mais frequente nos novos contratos), Spread a 1,5% (limite superior do mais contratados), num prazo de 25 anos (próximo do prazo médio de 26 anos em 2021) e sem amortizações antecipadas, para explicar as diferenças do impacto da Euribor consoante o ano em que foi contratado.

Fonte: Idealista

 

No gráfico, é possível ver que, por exemplo, uma família que tenha contratado um crédito habitação de taxa variável em agosto de 2021 terá de enfrentar um aumento da mensalidade de 118 euros (1.421 euros por ano). Mas no caso de um agregado cujo empréstimo tenha sido contratado em 2018, o aumento da prestação da casa será de 104 euros (1.245 euros por ano). Já quem contratou em 2013 verá a prestação subir 80 euros, refletindo-se num aumento de 960 euros por ano.

Ler Mais



loading...

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.