EUA: 50 Estados investigam Google por alegadas práticas anticoncorrenciais

50 procuradores-gerais dos EUA iniciaram uma investigação contra o Google por alegadas violações antitrust. Em causa está o domínio do Google no mercado de publicidade e a protecção de dados dos consumidores, mas também uma ameaça directa aos modelos de negócio da empresa.

O anúncio foi feito por Ken Paxton, procurador-geral do Estado do Texas e líder da iniciativa, esta segunda-feira (9 de Setembro). O Google enfrenta também alegadas violações antitrust por parte do Departamento de Justiça dos EUA.

A CNBC confirma relatórios da semana passada sobre a investigação bipartidária das práticas do Google. A investigação antitrust inclui advogados gerais de 48 estados, o distrito de Columbia e Porto Rico. A Califórnia e o Alabama não estão envolvidos, disse Paxton em entrevista colectiva.

Outros advogados enfatizaram o domínio do Google no mercado de publicidade e o uso de dados dos consumidores, na conferência de imprensa de segunda-feira. “Quando não há mais mercado livre ou concorrencial, isso aumenta os preços, mesmo quando algo é comercializado como livre e prejudica os consumidores”, disse a procuradora-geral da Flórida, Ashley Moody, republicana à CNBC. “Existe algo realmente gratuito se estamos cada vez mais a ceder as nossas informações privadas? É realmente gratuito se os preços dos anúncios online subirem com base no controlo de uma empresa?”

De notar ainda que um inquérito antitrust ao Facebook foi anunciado na sexta-feira passada pela procuradora-geral de Nova Iorque, Letitia James, que liderará o caso. Procuradores-gerais de sete estados e do Distrito de Columbia estão a participar neste inquérito. Na conferência de imprensa de ontem, o procurador-geral Karl Racine, disse que “ainda está para ser visto” se os dois serão “uma expansão coordenada”.

As acções da Alphabet, empresa do Google, caíram cerca de 0,9% na época do anúncio. Quando procurado para comentar, um porta-voz do Google apontou para um post da empresa publicado sexta-feira em que reconheceu ter recebido pedidos de informações do Departamento de Justiça sobre as suas práticas comerciais e espera que “os procuradores-gerais do Estado façam perguntas semelhantes”. “Sempre trabalhamos construtivamente com os reguladores e continuaremos a fazê-lo”, afirmou o Google nesse mesmo post.

As investigações estaduais colocam uma camada adicional de pressão sobre as duas empresas, que já enfrentam escrutínio antitrust a nível federal, depois da Federal Trade Commission, em Julho, ter aplicado uma multa de 5 mil milhões de dólares ao Facebook pelas suas práticas de privacidade e tratamento de dados dos utilizadores. Os procuradores-gerais envolvidos na investigação do Google disseram que a sua investigação permaneceria independente das de outras áreas do Governo.

Se as investigações federais ou estaduais encontrarem evidências de comportamento anticompetitivo, a empresa poderá ser obrigada a tornar os seus algoritmos mais amigáveis ​​aos rivais, mesmo que isso afecte os seus lucros. Também pode ser forçado a desmembrar unidades de negócios inteiras, como o YouTube. Algumas fontes afirmaram ao The Wall Street Journal, na semana passada, que as investigações poderiam expandir-se a outras empresas.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
178 restaurantes juntam-se à Rota de Tapas Estrella Damm
Automonitor
Hyundai inicia testes de condução autónoma nível 4