“Estamos a ver muitas empresas e muitos gestores a adotar práticas mais avançadas” em matéria de ESG, diz Presidente do ISEG

A Presidente do ISEG, Clara Raposo, disse que as preocupações com o ambiente, com o bem-estar social e com uma governança corporativa mais responsável estão cada vez mais no topo da lista de prioridades das empresas.

À margem do evento de celebração dos 111 anos do Instituto Superior de Economia e Gestão, que decorreu esta segunda-feira, dia 23 de maio, em Lisboa, a Presidente Clara Raposo, em conversa com a ‘Executive Digest’, apontou que o ensino da Economia e da Gestão está a transformar-se para se adaptar da melhor forma à realidade atual e às grandes questões e problemas do mundo de hoje.

“Se é sempre importante qualificarmos as pessoas ao máximo e de desenvolvermos o potencial de cada um, do ponto de vista intelectual, na forma de olhar para o mundo, em momentos como o atual, em que o mundo está em grande convulsão, em que há mais incerteza, acho que é ainda mais relevante estarmos preocupados com uma formação de banda-larga e muito completa destas novas gerações”, destacou Clara Raposo.

Para a Presidente do ISEG, a formação clássica deve ser acompanhada pela estimulação da curiosidade dos estudantes, que serão os profissionais e líderes do futuro, de forma que sejam capazes de “olhar para o mundo de uma forma mais abrangente”.

Clara Raposo apontou que o ISEG está atento às transformações e que procura refleti-las na sua oferta formativa. “Os nossos estudantes hoje saem daqui [ISEG] com uma bagagem muito completa. Nós próprios vamos questionando aquilo que estamos a fazer, porque sabemos que os modelos de organização das empresas e das economias em geral também têm que ser bastante atualizados”. A responsável salientou que, apesar de serem assustadores “os desafios do planeta, os da diplomacia económica, os da transformação energética e dessa transição que temos que fazer”, temos ao alcance novas oportunidades para mobilizar as novas gerações em torno de causas comuns e para construir “uma sociedade mais justa, mais equilibrada e com mais qualidade no futuro”, e, nesse campo, as universidades têm um papel fundamental a desempenhar na formação dos futuros profissionais.

A Presidente do ISEG afirmou que instituição tem observado mudanças no que toca à procura da sua oferta curricular. “De ano para ano, e muitas vezes consoante a economia vai evoluindo ou o tipo de crise que estamos a atravessar, vamos encontrando um interesse especial em áreas diferentes.”

“Antes da pandemia estávamos a encontrar uma enorme procura e um enorme interesse por áreas mais tecnológicas”, avançou. Apesar de essa procura se manter, Clara Raposo disse que é possível observar um interesse crescente pelas áreas da sustentabilidade e por ramos ligados às vertentes sociais. “É bonito irmos vendo que as pessoas estão, de facto, despertas para os grandes desafios da sociedade. E nós também nos vamos adaptando a isso.”

Quanto aos princípios de responsabilidade ambiental, social e de governança corporativa, os chamados ESG, que têm vindo a subir na lista de prioridades das empresas, a Presidente do ISEG aponta que, no que toca à preparação dos futuros profissionais, muitas vezes vemos instituições de Ensino Superior a optar “pela solução fácil”, de “adaptar ligeiramente os seus cursos”, que acabam por não transmitir aos estudantes os conhecimentos e capacidades necessários para implementar nas organizações as transformações necessárias.

“O movimento ESG não vem só dos reguladores nem dos políticos”, assegurou, explicando que “vem também dos próprios mercados financeiros”. “Vê-se que há uma tendência que quem tem capital para investir procura investimentos com essas características [ESG].”

Relativamente à introdução das temáticas do Ambiente e da Sustentabilidade no ensino da Economia e da Gestão, Clara Raposo afirmou que “na verdade, o que temos de fazer é uma transformação mais completa da forma como abordamos qualquer tema”. “Se eu vou ensinar Contabilidade, tenho que o fazer de forma que as pessoas percebam o que é um balanço ou uma demonstração de resultados, mas ao mesmo tempo garantir que percebam temas como o capital natural e que todos os aspetos relacionados com o ambiente e o planeta devem ser considerados nas várias áreas da Gestão.”

“É uma transformação muito grande”, reconhece, apontando, como exemplo, que o ISEG tem já ministrado cursos de pós-graduação em sustentabilidade e em finanças sustentáveis.

Sobre a relação entre Economia e Ambiente, que por vezes se encontram em lados opostos da barricada, Clara Raposo disse que “pode aí haver conflitos”, explicando que “a forma como as empresas e a economia são geridas no muito curto-prazo” pode levar a choques entre essas duas dimensões.

No plano internacional, a responsável avançou que é possível ver que, em alguns países, os setores de atividade podem não se reger pelos princípios ESG que cada vez mais são exigidos às empresas noutros locais do mundo, e que isso gera desigualdades no plano da competitividade nos mercados. “Se uma empresa estiver a concorrer internacionalmente com outra empresa que não tenha os mesmos princípios, pode acabar por sair prejudicada, porque está a fazer algo que é mais caro e mais transformacional, e está a concorrer com alguém que tem padrões mais baixos.”

“No entanto, a regulação vai começando a acompanhar a necessidade de tomarmos medidas, e os gestores atuais tem noção de que os princípios ESG são mais relevantes, porque hoje temos o planeta mais em risco”, destacou.

“Estamos a ver muitas empresas e muitos gestores a adotar práticas mais avançadas nessa matéria e reencaminham os seus negócios para uma transição que reflete as preocupações com o ambiente”.

Clara Raposo sublinhou que “não podemos estar à espera de que sejam as empresas sozinhas a definir tudo aquilo que seja bem-estar social, e se calhar nem queremos”, mas acredita que existe uma noção cada vez maior de preservar o ambiente, “e isso vai acontecendo aos poucos”.

“O importante será conseguirmos garantir maior harmonia global para que isso seja bem-sucedido. Não podemos ser só nós em Portugal, cheios de vontade de alterarmos as nossas práticas de consumo e de produção, e depois estarmos a concorrer com outras áreas geográficas que não têm os mesmos padrões e que nos prejudicam do ponto de vista concorrencial.”

“Mas há esperança”, salientou Clara Raposo, acrescentado que “vejo com muitos bons olhos esta vontade de transformação por parte das empresas”.

Ler Mais



loading...

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.