pub

Covid-19. Taxa de infecção real entre profissionais de saúde é 10 vezes superior ao conhecido

A taxa de infecção entre enfermeiros e assistentes operacionais nos hospitais de Santo António, no Porto, e de Santa Maria, em Lisboa, é 10 vezes superior ao conhecido. A conclusão é de um rastreio serológico realizado pela Fundação Champalimaund, em parceria com a Ordem dos Médicos, a 700 profissionais que estiveram na linha da frente do combate à pandemia do novo coronavírus.

Os resultados do estudo, a que a “Executive Digest” teve acesso, mostram que a taxa de infecção real varia entre 8,4% no Santo António e os 6,5% no Santo Maria.

No Porto, foram testados 347 enfermeiros e assistentes operacionais. Até aqui, era conhecida uma taxa de infecção em 0,86% dos profissionais, quando na realidade era de 8,4% (8,3% para enfermeiros e 8,5% para auxiliares). Ou seja, foram infectados cerca de 30 profissionais.

Já em Lisboa, foram submetidos a rastreio um total de 310 enfermeiros e assistentes operacionais. Segundo este estudo, a taxa real de infecção é de 6,5% (7,6% para enfermeiros e 4,7% para assistentes), ou seja,  11 vezes mais do que havia sido diagnosticado (0,6%). Sendo assim, segundo os resultados do estudo, cerca de 20 profissionais terão tido contacto com o vírus.

Todos estes profissionais foram submetidos a testes serológicos através do método ELISA, que consiste numa recolha de sangue, depois analisada em laboratório para detecção dos anticorpos IgM, IgA e IgG.

Um balanço da agência de notícias “France-Press”, feito a partir de dados oficiais, revelam que a pandemia de Covid-19, que teve origem na China, em Dezembro, já provocou mais de 297 óbitos e infectou mais de 4,3 milhões de pessoas em 196 países e territórios. Mais de 1,5 milhões de doentes foram considerados curados pelas autoridades de saúde.

Em Portugal, os dados mais recentes da Direção-Geral da Saúde apontam para 1.184 vítimas mortais associadas ao novo coronavírus e 28.319 casos de infecção.

Portugal está desde 3 de Maio em situação de calamidade, depois de três períodos consecutivos em Estado de Emergência (de 19 de Março a 2 de Maio). Esta nova fase prevê, contudo, o confinamento obrigatório para pessoas doentes e em vigilância activa, o dever geral de recolhimento domiciliário e o uso obrigatório de máscaras em transportes públicos, serviços de atendimento ao público, escolas e estabelecimentos comerciais.

Ler Mais
pub

Comentários
Loading...