Covid-19: Governador de São Paulo põe em causa faculdades mentais de Bolsonaro

O governador do estado brasileiro de São Paulo, João Doria, acusou hoje o Presidente do país, Jair Bolsonaro, de não estar “em plenas faculdades mentais” para liderar o país, após ter desvalorizado a pandemia do novo coronavírus.

Em entrevista à agência Efe, João Doria, que governa aquele que é o estado mais rico e populoso do Brasil, mas também o mais afetado pela covid-19, mostrou ser o exemplo do mal-estar entre as autoridades estaduais e municipais do país face à retórica de Bolsonaro, a quem acusam de subestimar a covid-19 e de incitar a população a regressar à sua vida normal de forma a não prejudicar a economia.

São Paulo, que possui 46 milhões de habitantes, é o estado brasileiro mais afetado pela covid-19, contabilizando 84 mortos e 1.406 infetados. Contudo, o chefe de Estado disse na sexta-feira que desconfia do número de mortes e infeções apresentadas por aquela unidade federativa.

Face a essas desconfianças, Doria diz que Bolsonaro não está em “plenas faculdades mentais”.

“O Presidente da República, numa entrevista a uma estação de rádio de São Paulo, acusou o governo regional de falsificar os atestados de óbito de brasileiros que morrem de coronavírus (…) Temos um Presidente que não está em plenas faculdades mentais para poder liderar o país”, defendeu Doria.

O governador acusou Bolsonaro de estar “desconectado da realidade”, acrescentando que “não é razoável” que um Presidente da República classifique uma pandemia mundial como a do coronavírus (mais de 30.000 mortes) como uma “gripezinha”.

“Também não é razoável que o próprio Governo realize uma campanha pedindo às pessoas que saiam de casa ao mesmo tempo em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que as pessoas fiquem em casa. É um ato de profunda irresponsabilidade e falta de respeito ao ser humano”, afirmou.

“São Paulo tem 46 milhões de habitantes, quase a mesma população da Espanha. Aqui, não será aplicada uma medida que coloca em causa a vida de milhões de brasileiros que vivem em São Paulo. A nossa posição é que as pessoas fiquem em casa, seguindo as diretrizes da OMS”, reforçou.

Após ser questionado sobre o que faria de diferente se estivesse no poder, Doria, que é apontado como candidato às eleições presenciais brasileiras de 2022, advogou que cabe ao Congresso brasileiro avaliar e decidir sobre o que fazer com um chefe de Estado “que não tem capacidade de racionalizar, interpretar e liderar um país”.

“Eu, como governador, não devo dizer nada sobre o que pode ser feito. Noto, sim, a sucessão de medidas equivocadas, que ameaçam a ordem pública e a vida das pessoas. Não é razoável alguém com o mandato de Presidente da República cometa esses erros tantas vezes em tão pouco tempo. Não é de alguém que está psicologicamente bem, é de alguém que sofre de algum tipo de problema psiquiátrico”, frisou mais uma vez João Doria.

O governador de São Paulo foi aliado de Bolsonaro no passado, e é acusado de se ter aproveitado da figura do atual mandatário para se eleger como governador em 2018, ligação que Doria lamenta atualmente.

“Quero registar aqui meu mais profundo pesar por ter apoiado Jair Bolsonaro, mas não havia possibilidade de ter defendido a candidatura de Fernando Haddad (candidado do Partido dos Trabalhadores e rival de Bolsonaro). Bolsonaro representa um grau de ameaça à democracia tão nocivo quanto a extrema-esquerda”, disse.

“Em dois anos, o Brasil passou de uma visão de extrema-esquerda, corrupta, prejudicial e mentirosa, para uma extrema-direita mentirosa, agressiva e com uma enorme vocação totalitária”, salientou.

O Brasil tem 111 mortos e 3.904 infetados pelo novo coronavírus, tendo aumentado para 10 o número de estados brasileiros a registar óbitos associados à covid-19, anunciou hoje o Ministério da Saúde.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 640 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 30.000.

Ler Mais
pub

Artigos relacionados
Comentários
Loading...