Covid-19: Agência Europeia do Medicamento recomenda vacina da AstraZeneca a maiores de 65 anos

A Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla em inglês), publicou esta quinta-feira as primeiras conclusões sobre a avaliação da vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca, recomendando a sua utilização para maiores de 65 anos.

No documento, o organismo explica que «a vacina COVID-19 da AstraZeneca é uma vacina para prevenir a doença coronavírus 2019 (COVID-19) em pessoas com 18 anos ou mais», disse não especificando um limite para a sua utilização, como foi estabelecido em muitos países europeus.

 

A EMA ressalva, contudo, que a maioria dos participantes envolvidos nos ensaios clínicos, que permitiram chegar a esta conclusão, «tinha entre 18 e 55 anos. Não houve resultados suficientes em participantes mais velhos (com mais de 55 anos) para oferecer uma visão de quão bem a vacina funcionará neste grupo».

«No entanto, espera-se proteção, visto que é observada uma resposta imune nessa faixa etária, também com base na experiência com outras vacinas», refere sublinhando que «uma vez que existem informações fiáveis ​​sobre a segurança deste grupo, os especialistas científicos da EMA consideram que a vacina pode ser utilizada em idosos».

Esperam-se agora mais informações, à medida que sejam concluídos os estudos ainda em desenvolvimento e «que incluem uma percentagem maior de participantes idosos», esclarece o regulador europeu.

Da mesma opinião é a Organização Mundial de Saúde (OMS), que na semana passada emitiu recomendações provisórias sobre esta vacina, dizendo que pode ser administrada a pessoas com 18 anos ou mais «sem um limite máximo de idade». «Isso significa que as pessoas com mais de 65 anos devem ser vacinadas», disse na altura Alejandro Cravioto, presidente do grupo consultivo.

Esta é uma matéria que tem sido alvo de muita discussão a nível global, isto porque muitos países recomendaram apenas que a vacina da AstraZeneca fosse administrada a pessoas até aos 65 anos, como foi o caso de Portugal, que publicou essa orientação também na semana passada.

No normativo, divulgado pelo organismo nacional, é referido que «até novos dados estarem disponíveis», a vacina «deve ser preferencialmente utilizada para pessoas com 65 ou menos anos de idade». No entanto, «em nenhuma situação deve a vacinação de uma pessoa com 65 ou mais anos de idade ser atrasada» se só estiver disponível esta vacina.

Também  os responsáveis sanitários de outros países europeus partilham desta posição, nomeadamente França, Alemanha, Polónia, Áustria, Suécia, Itália e Países Baixos – onde vivem quase dois terços da população da União Europeia (UE). Todos alegam «falta de dados» que comprovem a eficácia nesta faixa etária.

Ler Mais

Comentários
Loading...