Covid-19: «O país vai entrar no mês mais critico», diz Costa

O primeiro-ministro, António Costa, disse esta segunda-feira que «o país vai entrar no mês mais crítico e que, por isso, é fundamental que nos preparemos para o que vamos ter pela frente».

O chefe do Governo falava no final de uma visita às obras de recuperação do antigo Hospital Militar de Belém, em Lisboa, que se destinam a instalar o novo centro de apoio militar para o combate à pandemia de Covid-19. Este é um «exemplo de preparação de hospitais de retaguarda, para o caso de poderem vir a ser necessários», apontou, acrescentando que «os nossos hospitais têm vindo a dar resposta às necessidades. (…) Mas obviamente que se a pandemia continuar a evoluir, como está projectado, é fundamental podermos ter estas unidades de retaguarda».

As obras de renovação deste hospital estão a ser realizadas em quatro pisos, num total de 5100 metros quadrados e visam dotar esta valência para já com 112 camas, embora se admita uma capacidade de até 150 camas.

António Costa apelou à mobilização dos portugueses para conter a pandemia. «É fundamental a mobilização de todos, mas deve ser organizada. É muito importante que quem quer fazer donativos e tomar iniciativas procure articulá-las através das Administrações Regionais de Saúde, sob pena de nós termos a concentração de muitos recursos onde eles menos são necessários, e de nos falharem recursos essenciais onde eles são absolutamente indispensáveis», afirmou. «Como já em experiências anteriores perante grandes catástrofes, quando a generosidade não é devidamente organizada, nós perdemos e desperdiçamos recursos e hoje não podemos desperdiçar recurso nenhum», continuava.

O primeiro-ministro deixou ainda alguns recados. «Temos de ter sempre na mente o seguinte princípio: desejar o melhor, mas estar preparados para o pior. O melhor será seguramente que nenhuma destas camas alguma vez venha a ser utilizada, mas termos a segurança de que elas existem caso venha a ser necessárias para serem utilizadas». E isso, acrescentou, «depende essencialmente de nós. (…) Somos nós que transportamos o vírus. (…) É fundamental nos movermos o menos possível e nos mantermos o mais possível isolados. Se o fizermos não estamos a transmitir o vírus ninguém nem a correr o risco de sermos contaminados pelo vírus».

Portugal tem já praticamente seis mil casos confirmados de infecção por Covid-19, segundo o último relatório da DGS. São 5962, mais 792 que no boletim anterior. Em apenas cinco dias, duplicou o número de casos confirmados. O número de vítimas mortais também subiu, para 119.

*Notícia actualizada com mais informação

 

Estado de Emergência: «Neste momento, nada justifica a alteração das coisas», diz Costa

Ler Mais
pub

Artigos relacionados
Comentários
Loading...