Conectar escolas, professores e alunos. Mitigar assimetrias sociais

Por: Rossella Cardone, Head of Sustainability & Corporate Responsibility da Ericsson para a Europa e América Latina

Agora, mais do que nunca, estar conectado é vital para manter um senso de normalidade, face às circunstâncias de pandemia atuais. A educação é um setor crítico, com cerca de dois terços das crianças do mundo (1,3 mil milhões de crianças entre os 3 e os 17 anos) que não têm acesso à internet em casa, e 360 milhões de crianças sem qualquer acesso online. E o muito recente estudo da Economist Intelligence Unit demonstra a importância da conectividade digital, que pode significar um aumento de 20% do PIB nos países mais desfavorecidos.

O último ano trouxe uma importante lição: a conectividade digital é crucial para mitigar diferenças sociais e garantir a inclusão de todos; a possibilidade de aceder à Internet promove a igualdade de oportunidades para todos, pois garante que possam aprender e pesquisar por meio de conteúdos digitais.

Os benefícios da conectividade para a educação estão bem estabelecidos. Tanto professores como alunos podem aceder a materiais educacionais. Os colegas podem colaborar, mesmo quando não estão fisicamente no mesmo lugar. E, ao desenvolver as suas capacidades digitais enquanto aprendem, os alunos podem sair da escola com as competências que os ajudarão a conseguir um bom emprego.

Sob o patrocínio da Ericsson, o relatório Connecting learners: Narrowing the educational divide, recentemente publicado pela The Economist Intelligence Unit (EIU), departamento de pesquisa do grupo The Economist, revela um interessante conjunto de conclusões. Este documento vem mostrar como a conectividade escolar pode proporcionar melhores resultados educacionais e melhores oportunidades profissionais para as crianças. Estes benefícios a nível individual têm um efeito de bola de neve e irão também oferecer melhores rendimentos, mais saúde e um bem-estar generalizado. Como consequência, significará uma maior atividade económica, com um potencial de crescimento do PIB que pode chegar aos 20% – por cada 10% de aumento na conectividade escolar, prevê-se um aumento da riqueza a rondar os 1,1%.

A Conectividade escolar é uma forma de capacitar as crianças a ter acesso a conteúdos digitais a nível global, mas é também um meio para fomentar o empreendedorismo local, melhorar canais de informação durante emergências ou pandemias, e abrir portas à empregabilidade, através de plataformas digitais e da Gig Economy. Vai aumentar a qualidade da educação, estimular uma força de trabalho mais produtiva, com incentivo à inovação e desenvolver um sentido de comunidade.

Para que a mudança há que levar em consideração várias ações. E a colaboração é sem dúvida uma delas, através de estratégia de parceria entre o setor público e o setor privado, de forma a coordenar esforços para superar as barreiras alusivas à conectividade escolar. A acessibilidade é também uma questão fundamental. Construir infraestruturas para permitir o acesso à internet é um ponto de partida. Os preços têm de ser acessíveis, assim como a qualidade da conexão. Incorporar o uso de Internet e ferramentas digitais na educação é uma necessidade básica.

Para as crianças, é essencial garantir ambientes de aprendizagem saudáveis e protegidos. O uso da internet deve ser controlado adequadamente para garantir a sua segurança e evitar situações de abuso e exploração. Este é sem dúvida um risco associado ao acesso à digitalização, que pode muitas vezes criar resistência ao seu uso na educação, por parte dos pais e professores.

 

O papel da e com a UNICEF

Em agosto de 2020, a Ericsson aderiu também à iniciativa Giga, em parceria com a UNICEF e a União Internacional de Telecomunicações (UIT), uma iniciativa que nasceu como parte de seu compromisso sde longo prazo, em fornecer oportunidades a todas as crianças, a nível mundial. Esta iniciativa veio permitir mapear as lacunas de conectividade da Internet em 35 países até 2023. Em última análise, o objetivo é fornecer aprendizagem online e conectada a todas as escolas do mundo.

Como parte dessa parceria, a Ericsson traz seus próprios recursos e capacidades ao nível de engenharia e ciência de dados para apoiar a UNICEF com uma plataforma habilitada para IA que mapeia e visualiza a lacuna digital das escolas. Isso representa um primeiro passo, fundamental para destacar e tomar as ações necessárias para colmatar essas mesmas lacunas, no sentido de desenvolver uma aprendizagem e a inclusão digital de crianças e jovens.

Todo este trabalho no terreno tem impacto, igualmente, na “Generation Unlimited Global Breakthrough on Digital Connectivity”, um programa que assume o objetivo de dar aos jovens competências digitais para que possam participar em pleno na economia digital. É uma parceria global multissetorial, que responde à necessidade urgente de uma educação alargada, de formação e oportunidades de emprego para os jovens. Além disso, apoia a recente Agenda de Ação COVID-19 da UNICEF, a qual apela a uma ação global para manter a aprendizagem das crianças, o que implica uma real prioridade no acesso à Internet nas zonas rurais e remotas. Tal coloca o acesso à internet em áreas rurais e remotas como tema prioritário.

A hora de agir é agora. E tal requer compromisso e ações para reduzir a exclusão digital, junto de todos os alunos.

 

 

 

Ler Mais


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.