Concertação Social: Parceiros pedem rapidez e equilíbrio nas medidas de apoio a empresas e famílias

Terminada a reunião da Concertação Social que serve de preparação ao Conselho de Europeu, desta quarta-feira, que senta à mesma mesa Governo, patrões e sindicatos, as reações não se fizeram esperar e em comum, entre parceiros, está a incerteza da eficácia das medidas anunciadas pelo Governo.

Isabel Camarinha, a líder da CGTP, mostrou-se preocupada com a falta de medidas que acautelem os rendimentos das famílias. “Não pode haver esta desproporção entre apoios às empresas e a garantia do rendimento dos postos de trabalho e do rendimento dos trabalhadores”, disse a líder da CGTP aos jornalistas no final da reunião.

“Tem de ser garantido que não há consequências dramáticas para quem não consegue pagar despesas da casa, água, luz e gás”, avisou, revelando que o Governo disse ter em discussão algumas medidas.

Já o presidente da CIP, António Saraiva, pediu “rapidez” nas medidas dirigidas às empresas e lembrou que já passaram quase duas semanas desde que as medidas de paragem por causa da pandemia afetam a atividade económica.

Saraiva defendeu um lay off simplificado e uma modulação das férias como instrumentos para que as empresas possam enfrentar a situação. “Temos de usar todos os expedientes”, disse. Além disso, pediu que a União Europeia seja rápida. “É fundamental criar eurobonds ou coronabonds – não importa a adjectivação, importa o resultado”.

Através do ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, o Governo assegura, que neste quadro económico de exceção, graças à consolidação orçamental conseguida, o país pode reagir positivamente a esta crise, apesar da gravidade da situação.

“Um saldo excedente de 0,2% do PIB, não traz um sentimento amargo, tenho um duplo sentimento: o do dever cumprido, com o programa do Governo a ser cumprido exemplarmente; o segundo, é o da importância de mostrar que conseguimos colocar o país em crescimento e que hoje estamos mais à vontade para usar instrumentos e responder à crise”, afirmou, acrescentando que, de entre as medidas de apoio, o mais importante é garantir o emprego”.

Em jeito de balanço, Augusto Santos Silva, apesar de não antecipar as decisões do conselho de ministros, sublinhou que “foi importante ouvir todos os parceiros sociais para melhorar capacidade de decisão”.

 

Ler Mais
Artigos relacionados

Exclusivo MIT - Massachusetts Institute of Technology

Dormir. Factor determinante no desempenho profissional?

Pesquisas mostram que a falta de sono tem várias consequências que podem afectar negativamente o desempenho profissional. Então por que razão tantos locais de trabalho modernos condenam práticas que não ajudam a bons horários de sono?
Comentários
Loading...

Multipublicações