Até onde vai o ouro em tempos de pressão financeira e défices recorde?

O preço do ouro está gradualmente a aproximar-se dos seus máximos históricos em dólares, mas em euros, francos suíços, libras ou ienes, o metal precioso já mesmo os seus mais altos níveis históricos.

O ouro tem-se revelado uma “mercadoria confortável” em era de taxas baixas, défices fiscais sem precedentes e muitas dívidas acumuladas em países desenvolvidos. Os analistas acreditam que esta crise poderá levar o preço do ouro a exceder os seus máximos de todos os tempos (em dólares) e muito mais.

Tudo vai depender de quanto tempo durar a impressão desenfreada do Banco Central Europeu, as taxas de juros zero nos EUA e o alto tom expansionista da política fiscal, para neutralizar o impacto económico do coronavírus.

Entre 2017 e 2018, as taxas de juros acima de 2% e inflação controlada fizeram do ouro um ativo pouco atraente que ficou abaixo de 1.200 dólares por onça. Parecia mais rentável investir em títulos do Tesouro dos EUA ou noutros ativos que poderiam oferecer cupões ou dividendos (o que não oferece o ouro) sem correr riscos excessivos.

Mas agora as tabelas mudaram dramaticamente. As taxas de juros estão próximas de zero ou em território negativo em grande parte do mundo desenvolvido, enquanto políticas monetárias ameaçam corroer o valor de moedas e notas, criando incertezas quanto à inflação futura. Tudo isso faz do ouro um ativo tentador para superar esta incerteza gerada pela crise do coronavírus.

“A retomada da tendência de queda nas taxas de juros reais, que permanecem em território negativo, juntamente com as preocupações em torno do desvanecimento da moeda, provavelmente significa que o preço do ouro poderia tentar atingir 2 mil dólares por onça até 2021 “, defendem os analistas da americana TD Securities, citados pelo ‘Eleconomista’.

A favor do ouro, os especialistas apontam ainda que, em 2021, com uma economia global relativamente recuperada, é provável que as taxas de juros nominais permaneçam abaixo da taxa de inflação. “Isso, juntamente com as pressões de monetização à medida que aumentam com grandes défices fiscais nos EUA e no mundo, deve levar os investidores a escolher o metal precioso como proteção”.

Ler Mais
pub

Comentários
Loading...