Até onde vai escalar a bitcoin? Há quem defenda que o preço pode ser multiplicado por cinco

A bitcoin voltou à ribalta. A criptomoeda mais popular do mundo subiu mais de 2% e ultrapassou os 19 mil dólares, ficando assim perto de seu máximo histórico de 19.666 dólares. A bitcoin ganhou quase 40% em novembro e subiu cerca de 160% este ano. E a pergunta que se impõe neste momento é: até onde pode ir esta criptomoeda?

O seu aumento vertiginoso foi alimentado pela procura por ativos mais arriscados face aos estímulos fiscais e monetários sem precedentes projetados para conter os danos económicos da pandemia da Covid-19, acordando a aposta em ativos considerados resistentes à inflação, um cenário em que as expectativas das criptomoedas ganharam ampla aceitação.

Os investidores em bitcoins, incluindo alguns dos principais fundos mútuos e gestores de ativos do mundo, acreditam que o preço da moeda virtual poderia aumentar cinco vezes e chegar aos 100 mil dólares num ano, segundo apurou a ‘Reuters’.

A bitcoin baseia-se nos chamados computadores de “mineração”, que processam blocos de transações numa competição para resolver quebra-cabeças matemáticos a cada 10 minutos. O primeiro a resolver o quebra-cabeça e esclarecer a transação é recompensado com bitcoins.

A sua tecnologia foi projetada para cortar a recompensa dos “mineiros” pela metade a cada quatro anos, uma medida que visa conter a inflação. Em maio, a bitcoin passou por um terceiro “corte”, que reduziu a taxa de criação de novas moedas, restringindo a oferta. Essa redução pela metade deu início à nova escalada da moeda digital.

O chamado “índice baleia”, que rastreia contas ou carteiras com pelo menos 1.000 bitcoins, está um ponto mais alto, segundo declarações de Phil Bonello, diretor de pesquisa da gestora de ativos digitais Grayscale, à ‘Reuters’. Bonello afirmou que mais de 2.200 contas estavam vinculadas a grandes detentores de bitcoins, um aumento de 37% em relação às 1.600 registadas em 2018, sugerindo que o dinheiro de instituições financeiras invadiu o mercado de criptomoedas.

Investidores como Stanley Druckenmiller, fundador do fundo Duquesne Capital, e Rick Rieder, diretor de investimentos globais de renda fixa da BlackRock, recentemente elogiaram a bitcoin. O que chamou muitas atenções. 

Os investidores de retalho continuam a representar um número marginal devido ao efeito da pandemia na economia. Mas com a recente entrada da Square e da PayPal neste universo, o analista chefe da Stack Funds, um provedor de índices de fundos criptográficos, Lennard Neo, espera que a procura seja mais forte do que em 2017. Neo prevê que a moeda atingirá entre 60 mil e 80 mil dólares até o final de 2021.

Ler Mais

Comentários
Loading...