As Tendências Comportamentais para 2030

Por Luis Rasquilha, CEO da Inova TrendsInnovation Ecosystem (Research, Consulting, Business School, Online, Club). Professor da Fundação Dom Cabral (FDC), Hospital Albert Einstein e ESALQ/USP (Universidade de São Paulo)

Começo o meu primeiro artigo de 2022 (dando sequência ao último de 2021 onde apresentei as Megatendências para 2030) recuperando o What’s Next 21, Direção 2030, um relatório que enumera as diversas perspectivas que as tendências trazem para o futuro próximo.

  • O relatório completo está disponível para download.
  • A apresentação no relatório está disponível para assistir.
  • E o curso gratuito sobre o relatório.

 

Veja abaixo a visão geral do What’s Next 21 (Direção 2030).

https://www.inovaconsulting.com.br/wp-content/uploads/2021/10/Whats-Next-Report-2021-Dir-2030.pdf

As primeiras análises foram tratadas nos artigos anteriores dedicados às forças motrizes, que encontra no link e às MegaTendências, que encontra no link

Neste artigo gostaria de apresentar e convidar à reflexão sobre quais são as Tendências Comportamentais passíveis de análise nesta década, enumeradas por cada força motriz.

Definido TENDÊNCIAS COMPORTAMENTAIS (3/5 anos): processos de mudança que resultam da observação do comportamento dos consumidores e que origina a criação e o desenvolvimento de novas ideias: de negócio, de produto ou serviço, de marca ou de ação.

TENDÊNCIAS COMPORTAMENTAIS por cada força motriz

 

1. Tecnologia e Conectividade

  1. Gadget Dependente: Vivendo uma verdadeira revolução de conectividade e tecnologia tudo caminha de forma convergente na palma da nossa mão. Vivemos nossas vidas e trabalhos dobrados sobre uma tela de smartphone ou laptop estando permanentemente conectados com os demais e garantindo que temos tudo o que necessitaremos à distância de um click. O www de world wide web deu lugar ao www de what we want, tal é cada vez mais a facilidade de aceder e compartilhar tudo. As idas ao banco, médico, supermercado, escola ou mesmo trabalho têm sido gradualmente substituídas por apps que nos resolvem tudo e nos facilitam universalmente a vida. Caminhando para um mundo 100% conectado, esta dependência assumirá cada vez mais importância e será o fator diferenciador entre marcas e na escolha das soluções diárias.
  2. Nômades Digitais: Crescem nos mercados profissionais aquelas pessoas que não há o “ir ao escritório”, tão pouco o cumprimento do expediente normal. Usando mochilas e pastas modernas, com um ar informal, abandonando gravatas e ternos, adotando roupas leves e confortáveis e impulsionados pela conexão eles trabalham quando e onde querem e precisam. Um estilo de trabalho e de vida fundamentalmente urbano e digital, que traz consigo novos e diferentes padrões de mobilidade e de hábitos de alimentação, relacionamento e consumo.
  3. Convergência Tecnológica: Tudo na palma da mão possibilitado pelo crescimento dos apps e pela democratização do acesso à internet e do uso de smartphones, possibilitando uma total convergência de acesso e utilização das possibilidades tecnológicas que existem.
  4. Vidas Online: Em pleno momento de um mundo conectado quase que se afirma que se não está na internet é porque não aconteceu. Isto significa que o mundo digital tem-se sobreposto ao físico quando mais importante do que (por exemplo) viver um determinado momento é mais relevante postá-lo e compartilhá-lo com a comunidade de seguidores. As vidas estão sendo vividas mais na rede social do que nos moldes físicos e, apesar dessa realidade ser muitas vezes criticada, o fato é que o mundo digital tem assumindo a prioridade e a relevância na vida das pessoas caminhando para um mundo 100% conectado.
  5. Encapsulamento: Conceito criado por Faith Popcorn nos anos 70 (Cocooning), quando se referiu ao maior tempo que as pessoas passariam dentro de casa, esta Tendência expressa agora um comportamento mundial. Por obrigação, recomendação ou consciência as pessoas estão mais dentro de casa, trabalhando, estudando, se informando e adotando novos comportamentos de vida e relacionamento dando finalmente sentido ao conceito de encapsulamento.

2. Ambiente e Clima

  1. EcoSustentabilidade: EcoSustentabilidade é a consciência de que ser “eco” não é suficiente para preservar o planeta e é necessário ir além da ideia de conservação da natureza e preocupar-se especialmente com a humanidade e a sua relação com o meio ambiente. Sustentabilidade é a palavra de ordem nas iniciativas empresariais e políticas que influenciam as mudanças no comportamento e ações em diversas áreas.
  2. Mindset Verde: Uma atitude que se revê em comportamentos de maior preocupação com a correta produção, armazenagem e descarte de recursos em escala e seus impactos na cadeia de valor, que tem sido alvo do escrutínio apertado da sociedade e do mundo em geral.
  3. Cobrança e Exigência pelo Verde: Não só feito pelas gerações mais novas (mas sem dúvida impulsionadas por elas) cresce de forma inquestionável a cobrança por atitude a ações que protegem o planeta e dão a devida atenção ao tema climático.
  4. Posse vs. Uso: Reforçando o conceito de economia circular assistimos a uma alteração dos modelo de negócio/consumo abandonando-se a vertente puramente consumista para a doção de modelos mais sustentáveis de uso (em detrimento da mera posse) que tem feito emergir novos conceitos de negócio como soluções por assinatura ou soluções (mais) compartilhadas.
  5. Instantaneidade e Imediatismo: O conhecimento humano em 1900 dobrava a cada 100 anos; Em 1945 a cada 25 anos; Em 2014 a cada 12 meses e em 2020 a cada 12 horas. É fácil prever que tudo será cada vez mais rápido e instantâneo, transformando a realidade que conhecemos numa enorme realidade líquida. Os nossos limites de paciência e espera reduzem à medida que este mundo acelera, elevando o nível de exigência para com empresas, permitindo cada vez menos que estas gastem o nosso tempo com coisas desnecessárias na prestação de serviços. O tempo é cada vez mais precioso e por isso qualquer momento de espera precisa ser recompensado com algo absolutamente único e relevante. Sem tempo a perder a busca faz-se pelo mais rápido, embora nem sempre pelo melhor.

3. Política e Economia

  1. Urbanização: Mais de metade da população mundial vive em grandes cidades e ao contrário do que aconteceu em outras épocas, a maioria das pessoas nasceu nas cidades. Quem não nasceu vive as cidades com tanta intensidade como uma terra-natal. Com a crescente urbanização cresce o interesse que as populações urbanas ganham pelo espaço onde habitam, tornando-os mais acolhedores para si e para os outros.
  2. Fear Uncertain Doubt (FUD): O mundo hoje é VUCA (em inglês) significando que o mundo muda em velocidade muito acelerada e com destino incerto. A sigla VUCA de volatilidade (volatility), incerteza (uncertainty), complexidade (complexity) e ambiguidade (ambiguity) tem assumido relevância nas análises do momento. Mas quando olhamos o futuro que se aproxima e o cruzamos com a forma como temos sido formatados pela sociedade da 2ª Revolução Industrial encontramos invariavelmente três sentimentos: Medo (Fear): “sentados” em nossas zonas de conforto assistimos a inúmeras mudanças que, pela sua velocidade e impacto, nos deixam ansiosos e pensativos sobre a nossa capacidade de lidar com toda a transformação futura; Incerteza (Uncertain): a velocidade da mudança gera sempre a incerteza de quais impactos e resultados obteremos ao adotar a mudança e se conseguimos lidar com ela; Dúvida (Doubt): cresce a dúvida se estamos caminhando para tempos melhores ou piores e como nos devemos adaptar a eles garantindo alguma segurança.
  3. Participação Ativa: Impulsionada pelas gerações jovens cresce a participação de todos nos grandes temas do mundo, exigindo resultados mas também ativamente realizando ações que visam equilibrar os pratos e reduzir os problemas gerados por tempos antigos e ultrapassados.
  4. Multiculturalismo: O Multiculturalismo descreve a existência de muitas culturas numa região, cidade ou país, com no mínimo uma predominante. Com a elevada mobilidade humana vivemos momentos em que massas de pessoas se deslocam entre países e continentes, estabelecendo laços com as pessoas dos destinos onde chegam.
  5. Liderança Coletiva: A expressão ‘’sozinhos vamos mais rápido mas juntos vamos mais longe’’ nunca fez tanto sentido num momento onde a colaboração é a palavra de ordem e onde todos podem ao mesmo tempo ser líderes e liderados na busca de um propósito comum.

4. Social e Humano

  1. Empoderamento: Representa o movimento crescente de transferir e dar poder aos consumidores, permitindo que estes tomem as suas decisões, nos mais variados âmbitos: pessoal, profissional, político, entre outras. Pessoas empoderadas são agentes de transformação e clientes empoderados contribuem para a perenidade dos negócios. Empresas com colaboradores e com clientes empoderados garantem maior solidez ao construírem à sua volta comunidades de seguidores e apóstolos.
  2. Economia da Experiência: Os produtos por si só já não têm o valor de outros tempos. O consumidor procura algo mais do que um simples produto. Todo o processo de compra deve ser acompanhado por algo único – uma experiência – capaz de estimular os cinco sentidos. A experiência na compra e na utilização de produtos e de serviços deve ser memorável e transformar todo o processo de compra e de consumo em algo inesquecível. Economia da Experiência refere-se por isso a experiências vividas pelo consumidor, proporcionadas pelas marcas, com o objetivo de que estas se transformem em vendas, reconhecimento e reforço de imagem.
  3. Regresso às Origens e Nostalgia: A importância de nos rodearmos de símbolos, imagens e histórias que contem uma história que gere identificação e envolvimento cresce e a necessidade de nos ligarmos ao imaginário, aos sonhos e histórias ganha força. A necessidade de resgatar o passado para nos resguardar de um presente que – em muitos casos – pode ser “homogeneizado” e “industrializado” em excesso, e, quase sempre, incerto recorrendo a referências estéticas ou ‘recordações’ fortes, que vêm dar um novo valor às experiências atuais, criando-nos, assim um “porto seguro” nos tempos de incerteza e de desconfiança atuais tem mostrado ser um caminho para a diferenciação.
  4. Humanismo e Solidariedade: A situação que se vive trouxe à tona um maior humanismo e solidariedade com o próximo. Dos mais necessitados, aos idosos, aos que de alguma forma foram afetados pelo “tsunami” que nos afetou, iniciativas de apoio e compartilhamento se sucedem dia após dia. Algo inimaginável aconteceu: o mundo está mais consciente, consciência e preocupação com o outro dando sentido à expressão: o futuro do ser humano é ser humano.
  5. Compartilhamento: Quando o conhecimento se massifica todos contribuem com a sua visão ou perspectiva, agregando mais ao todo. Fica cada dia mais fácil acessar informação que quando junta constrói uma nova forma de conhecimento. E hoje não podemos deixar de considerar colaboradores, parceiros, fornecedores, professores, clientes, amigos e todos quantos coexistem com a nossa empresa, sabendo que em cada um deles estará parte de uma solução.

5. Saúde e Bem-estar

  1. Wellthy (wellness & healthy): Saúde e bem-estar, longevidade e felicidade são fundamentais. Os benefícios são óbvios e ‘’mente sã em corpo são’’ permite que se possa enfrentar com outra garra as adversidades dos tempos modernos. As fontes do estresse diário são muitas e é prioritário ter formas e meios de o combater. A promoção e o monitoramento permanentes de práticas e estilos de vida mais saudáveis são fortemente disseminadas, com recurso às tecnologias de informação e a um mundo cada vez mais interligado em busca de felicidade utilizando as tecnologias de informação e o um mundo cada vez mais interligado. Partilham-se histórias, experiências, técnicas, dietas, planos de treino, etc.; tudo o que promova a vitalidade é bem vindo! Um mundo mais Wellthy (junção de Wellness e Healthy) cresce como contraponto e busca de equilíbrio ao mundo conectado e vivido em permanente aceleração.
  2. Relax & Espiritual: Este movimento vai muito além da questão de relaxamento, traduzindo-se numa necessidade mais básica para viver em equilíbrio. A vida é cada vez mais estressante e emocionalmente exigente. Os níveis de estresse no trabalho nunca foram tão altos e a busca por soluções de relaxamento e melhoria da qualidade de vida nunca foram tão importantes na vida das pessoas. Seja uma pausa diária, um retiro ou mesmo uma forma de vida, a busca pelo equilíbrio e pelo desacelerar do mundo conectado tem ganho adeptos e aberto inúmeras oportunidades de negócio. O maior desafio hoje é conseguir viver em equilíbrio com tantas demandas e iniciativas que nos aceleram a vida e o cérebro.
  3. Busca pela Felicidade: Um sentimento que se afirmou com a pandemia e que saiu reforçado no sentido em que há uma maior consciência de deseo de fazer coisas que nos façam bem e nos deixem felizes. A mudança de século e o emergir das novas gerações tem reforçado a questão emocional como crítica da performance, saúde e bem estar. Antes de tudo somos humanos e humanos querem-se felizes.
  4. DIY: DIY (do it yourself, ou o faça você mesmo) como parte do comportamento, que demonstra uma mudança na forma de relacionamento com marcas e empresas onde quem decide o que compra, seleciona, recomenda e endossa é o consumidor.
  5. P2P vs. Individualidade: A sociedade atual tem consciência dos problemas econômicos, sociais e do fato de os recursos ambientais serem finitos e aumentou a sua consciência para a um novo modo vida, o P 2 P – Person to Person (ou Peer 2 Peer) onde endosso e confiança são a base de decisão. Ao mesmo tempo que vivemos em rede cada vez mais conectados cresce um comportamento de isolamento, de busca de privacidade que permita um reencontro com cada um de nós.

6. Educação, Empresas e Negócios

  1. Propósito e Autenticidade: Propósito e Autenticidade são hoje faces da mesma moeda de gestão, que deve estar mais centrada em garantir a longevidade da empresa, sabendo gerenciar o momento. Propósito pode ser definido como um modo único e autêntico por meio do qual sua marca fará a diferença no mundo. Autenticidade surgiu com a mudança para a Economia de Experiência onde cada vez mais consumidores estão interessados em experienciar algo que apele aos seus sentidos de uma forma pessoal do que apenas comprar produtos.
  2. Ética: Com o crescimento do mundo digital todos estamos cada dia mais expostos a todos os níveis. Essa exposição tem aumentado a exigência por práticas cada vez mais éticas por parte das empresas, as quais estão diretamente ligadas com a relevância da empresa no Mercado e a forma como ela concretiza as suas promessas e ofertas. Ética é referente à conduta ética das empresas, ou seja, à forma moralmente correta com que as empresas interagem com o seu meio envolvente e com os agentes de negócio.
  3. Design WoW: A evolução do Design caminhou para uma simbiose entre forma e funcionalidade, associando-se a valores presentes na Sociedade como a sustentabilidade, a personalização, a tecnologia, a automatização, e até mesmo a inclusão. A sociedade quer objetos cada vez mais simples e funcionais, bem como duráveis (consciência de que os recursos são finitos). Além disso, é necessário existir um ambiente de maior simplicidade. No Design, a tecnologia é usada de forma permanente para uma maior personalização e interatividade e baseia-se na premissa de que o preço já não é mais aquilo que se paga por algo, mas sim o que se recebe por algo (caso contrário, torna-se apenas um custo). Desta forma, o Design deve desempenhar um papel que encarne o processo conceitual, criativo, de fabricação e de comercialização com forte inspiração e orientação da experiência do usuário.
  4. I/Empreendedorismo: Resultado das crises recentes e da crescente insatisfação com empresas rígidas e engessadas, muitas pessoas têm abandonado carreiras executivas para se aventurarem na criação dos seus empreendimentos ou abrindo frentes de mudança da cultura da empresas onde atuam. Nunca como agora se criaram tantas empresas e tanta gente se mobilizou para mudar as bases nas quais o mundo assenta. Os empreendedores do futuro estão mais focados na resolução dos grandes problemas do mundo e se não o fizerem dentro das empresas onde trabalham criarão novas que garantem esse movimento.
  5. Protagonismo: O ‘’ser parte ativa’’ de forma responsável ganhou o mundo. Temos uma missão e/ou desígnio/chamado que deve ser atendido para fazer a diferença no mundo e com isso, assumir o protagonismo de nossas vidas, carreiras e resultados.

O próximo artigo fechará a reflexão sobre o tema apresentando as tendências de negócio. Até lá, reforço o convite para acessar o relatório na íntegra e que possa utilizar o seu conteúdo para a reflexão estratégica e para a tomada de decisão na gestão.

Ler Mais

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.