As mais bizarras previsões para 2021: Rendimento básico universal pode dizimar cidades

O rendimento básico universal pode tornar-se uma realidade permanente no ano que vem, desencadeando um “reequilíbrio sísmico” da sociedade à medida que os trabalhadores dizem adeus à vida nas grandes cidades. Esta é apenas uma das dez “Previsões Bizarras” que o dinamarquês Saxo Bank traçou para 2021, embora tenha enfatizado que estas não são suas visões “oficiais”.

Entre estas previsões, o banco destaca o cenário de as medidas implementadas pelos governos para apoiar a perda de salários em resposta à pandemia do novo coronavírus poderem tornar-se permanentes, sendo que esta nova era de dinheiro grátis esmagaria os imóveis comerciais.

“O risco de que as sociedades sejam totalmente dilaceradas resulta de um contexto em que as medidas da Covid-19 não seriam uma mera resposta ao pânico, mas o início de uma nova realidade de renda básica universal (UBI) permanente”, afirmou o macro estrategista global Kay Van- do Saxo Petersen, no mais recente relatório a que a ‘CNBC’ teve acesso.

O especialista sublinhou ainda que a pandemia da Covid-19 “apenas acelerou a recuperação em forma de K que estava a gerar desigualdades e a destruir o tecido social já antes do surto”.

Uma recuperação em forma de K refere-se àquela em que o desempenho da economia diverge acentuadamente, como os braços da letra K, com algumas partes da economia a beneficiar de um forte crescimento enquanto outras ficam para trás.

Van-Petersen acrescentou ainda que a geração mais jovem percebeu que “uma educação sólida e a atitude certa” já não são suficientes para subir na escada socioeconómica como foi possível durante a maior parte do século XX, sendo que as crescentes forças deflacionárias salariais nas áreas de software, inteligência artificial e automação estavam “a fazer desaparecer mais empregos em todos os setores”.

 

A renda básica universal não é uma ideia nova. Mas ganhou força na esteira da pandemia, com defensores desta política a sugerir que poderia ajudar a apoiar financeiramente aqueles que foram mais afetados pela crise de saúde global.

O FMI descreve a renda básica universal como um mecanismo de apoio, no qual os pagamentos regulares em dinheiro se destinam a atingir uma grande parte da população com condições mínimas. Em suma, todos receberiam um pagamento fixo, regularmente, independentemente do seu status de emprego.

“As grandes cidades têm sido os principais motores do crescimento do emprego por gerações. Mas na nova era da UBI, redundâncias de empregos motivadas por tecnologia e frequentes viagens de trabalho em casa tornaram-se mais normais pela Covid-19, os imóveis de escritórios municipais de repente enfrentam um excesso de capacidade de 100% ou pior ”, disse Van-Petersen.

O analista avança ainda que a nova UBI também promove mudanças na atitude em relação ao trabalho e ao equilíbrio entre a vida, permitindo que muitos jovens permaneçam nas comunidades onde cresceram. “Enquanto isso, os profissionais e os trabalhadores marginais nas grandes cidades também começam a sair, à medida que as oportunidades de emprego diminuem e a qualidade de vida em apartamentos pequenos e caros em bairros de maior criminalidade perde atratividade”, reforçou.

Ler Mais


Artigos relacionados
Comentários
Loading...