pub

Ártico está a desaparecer e a um ritmo alucinante. Já foi ultrapassado o ‘ponto de não retorno’?

O Ártico está a desaparecer. No final de julho passado, 40% dos 4 mil anos da Plataforma de Gelo de Milne, localizada no extremo noroeste da Ilha de Ellesmere, derreteram. Era a última prateleira de gelo totalmente intacta do Canadá. Do outro lado da ilha, as calotas de gelo de St Patrick’s Bay também desapareceram completamente.

Duas semanas mais tarde, os cientistas concluíram que a Folha de Gelo da Gronelândia pode já ter passado o ponto de ‘não retorno’. A queda anual de neve já não é suficiente para repor a neve e a perda de gelo durante o derretimento estival dos 234 glaciares do território. No ano passado, a camada de gelo perdeu uma quantidade recorde, equivalente a 1 milhão de toneladas métricas por minuto.

O Ártico está a desaparecer mais depressa do que se pensava há apenas algumas décadas. A Sibéria do Norte e o Ártico canadiano estão agora a aquecer três vezes mais depressa do que o resto do mundo. Na última década, as temperaturas no Ártico aumentaram quase 1ºC. Se as emissões de gases com efeito de estufa se mantiverem, podemos esperar que o Norte tenha aquecido 4ºC durante todo o ano até meados do século.

O Ártico tal como o conhecemos – uma vasta paisagem gelada onde renas vagueiam, ursos polares festejam, e as águas fervilham de bacalhau e focas – em breve deixará de existir.

Um novo estudo da Nature Climate Change prevê que o gelo marinho que flutua na superfície do Oceano Ártico poderá desaparecer por completo até 2035. Até há relativamente pouco tempo, os cientistas não pensavam que chegaríamos a este ponto antes de 2050, na melhor das hipóteses. Reforçando esta descoberta, no mês passado, o gelo marinho do Ártico atingiu a sua segunda menor extensão no registo de 41 anos.

“Os últimos modelos estão basicamente a mostrar que, independentemente do cenário de emissões que seguirmos, vamos perder a cobertura de gelo do mar antes de meados do século”, diz Julienne Stroeve, uma cientista sénior de investigação do US National Snow and Ice Data Center ao The Guardian.

Em alguns locais do Ártico canadiano, o gelo permanente está a descongelar 70 anos mais cedo do que o previsto. As estradas estão a encurvar e as casas estão a afundar-se.

Este descongelamento do gelo permanente do subsolo liberta potentes gases com efeito de estufa, dióxido de carbono e metano, para a atmosfera e agrava o aquecimento do planeta.

O calor crescente leva a fogos selvagens, agora comuns nas partes mais quentes e secas do Ártico. Nos últimos verões, os infernos rasgaram-se através da tundra da Suécia, Alasca, e Rússia, destruindo a vegetação nativa.

Ler Mais
pub

Comentários
Loading...