Apatia

Por Jorge Rebelo de Almeida, presidente do Conselho de Administração do Vila Galé Hotéis

Entre outros problemas que a pandemia nos deixou regista-se o acentuar da passividade generalizada, a indiferença, o conformismo.

Dizem que não há hoje grandes causas, mobilizadoras e fico atónito! Haverá causa mais nobre do que melhorar a qualidade de vida das pessoas quer económica, quer cultural, quer socialmente; ou implementar e sustentar valores como a ética, a solidariedade, a justiça, a transparência, o bom senso?

Algumas causas ditas fraturantes são da maior relevância e têm de ser acolhidas, mas não podem destronar nem estrutural nem mediaticamente as causas que devem ser os pilares das sociedades. A excessiva importância dada às redes sociais; a ligeireza, a leviandade, a superficialidade e sobretudo a ausência de confirmação e de contraditório de boa parte das notícias; ou o excessivo consumismo, o desperdício, a poluição, o egoísmo e individualismo, o efémero estão hoje em grande parte na origem desta apatia generalizada.

Dá-se mais importância à frivolidade e futilidade do que às práticas de grande humanidade, solidariedade e de boas ações em geral e às más notícias em detrimento das positivas. Para além do sensacionalismo, parece existir algum masoquismo nestes comportamentos.

Mais grave e preocupante, os praticantes destes valores chegam a ser olhados como possuidores de qualquer desequilíbrio ou problema mental.

Temos de parar com a inveja, a mesquinhez.

Não podemos deixar que o espaço mediático seja ocupado apenas por populismos, por negativismos, por críticas que frequentemente são apenas maledicência pura e duram ao serviço de agendas senão obscuras, no mínimo pouco claras. Os denominados por “grupos de baixa representatividade eleitoral” que falam enúmeras vezes das maiorias.

O sentido crítico é essencial, mas desde que tenha por objectivo razões sérias e positivas.

É tempo de inverter esta tendência passando à acção.

Não podemos continuar a aceitar o lento e deficiente funcionamento da justiça, o mau desempenho da Administração Pública em geral, a gritante perda de performance do ensino público, o desequilíbrio entre Litoral e Interior.

Mas não basta criticar, é preciso passar à acção. É preciso trabalhar, participar, mobilizar

Seguramente não vai chegar nenhum “salvador da pátria” que venha resolver os nossos problemas.

Vamos mesmo ter de ser todos nós, todos juntos a resolver os nossos problemas.

Naturalmente precisamos de liderança, mas não de ditadores de qualquer tendência, seja ela qual for. A mudança terá de ser:

  • Com elevação e urbanidade;
  • Com empenho e determinação;
  • Com solidariedade e tolerância;
  • Sem extremismos, com bom senso e equilíbrio.

Nunca como hoje reunimos condições tão propícias para darmos um salto qualitativo na nossa sociedade.

Temos como nunca jovens preparados à procura de um desígnio nacional e de enquadramento. Os mais velhos têm o dever cívico de promover este enquadramento e a transmissão de valores, sob pena de serem os grandes causadores da queda a que vimos assistindo.

E que os mais capazes não receiem assumir as lideranças indispensáveis com seriedade, com coragem, com frontalidade, com ética e com a consciência de que nos tempos que correm não é fácil ser líder.

O que não é possível é desistir antes de tentar, antes sequer de começar.

É fundamental uma reforma da Administração Pública que premeie o mérito, que valorize e dignifique a função, melhore as condições de trabalho e lhe retire os estigmas de inépcia e incompetência, para afinal criar condições para lhes poder exigir.

É indispensável uma reorganização administrativa do País, adequada à realidade, que permita uma descentralização, uma simplificação e uma valorização das autarquias e de todos os que nelas trabalham.

No meio dos sérios problemas que nos trouxe a pandemia, conseguiu mostrar a facilidade de trabalhar à distância, o que é uma excelente oportunidade para o desenvolvimento do interior do País.

Também a aposta em centros universitários de excelência no interior, com custos de vida inferiores, é uma boa solução para estas regiões e para atrair estudantes estrangeiros.

A educação pode ser um negócio a crescer como o turismo cresceu. A saúde pública e privada em complementaridade, é também uma aposta de futuro. Criar centros de ciência médica para atrair clientes internacionais é um caminho a percorrer (veja-se o exemplo da Fundação Champalimaud).

As câmaras municipais terão de criar directamente, ou através de promotores privados com incentivos públicos, soluções de habitação social, para jovens, para idosos e para todos os que precisam deixar o litoral e regressar ao interior do País, bem como espaços para as empresas de serviços, para a indústria, para a agricultura.

O problema da habitação deve ser recolocado na agenda política como o Primeiro Ministro veio reconhecer, pois constitui hoje uma grave carência da população e, em simultâneo, reforça-se a indústria da construção.

Não foi só o turismo que cresceu. Também os produtos agrícolas passaram as contas para as exportações. Assim como o vinho, o azeite, os hortofrutícolas; as tecnológicas, a construção, o imobiliário. Além de que o têxtil e o calçado têm-se renovado e reafirmado, entre tantas outras actividades.

Pena tenho que não se volte a apostar no reforço da construção naval, nas grandes empresas de projecto e consultoria (Hidroprojeto, Hidrotécnica, Profabril, etc), com potencial para exportar serviços.

Apesar de forte e recorrentemente mal tratadas, as empresas, que no final do dia são quem cria riqueza e gera empregos, continuam a afirmar-se no plano económico e social (pese embora alguns maus exemplos empresariais). Bom seria que fossem incentivadas ao crescimento a gerar lucros (que paguem impostos), a criarem dimensão com fusões e parcerias para aumentar a capacidade para exportações. As PME merecem apoio, bem como incentivar a criação de pequenos negócios, mas sem hostilizar as grandes empresas que são indispensáveis a um salto no nosso crescimento.

“SMALL is beautiful” é um conceito que tem plena aplicação em Portugal mas há clientes para tudo e, por isso, o desenvolvimento da economia precisa de várias escalas de negócios.

Portugal tem hoje uma excelente e extraordinária oferta de pequenos hotéis e AL, Agroturismo, entre outras tipologias, de Norte a Sul do País. Mas os hotéis de maior dimensão são indispensáveis para gerar receitas e alavancas, produtos diferenciados como a recuperação de edifícios históricos, o que é fundamental para diversificar ainda mais a oferta turística portuguesa, mas que tantas vezes oferece riscos mais elevados.

Portugal é difícil de entender!

Uma das motivações para a captação de investimentos é a segurança jurídica, a estabilidade, a previsibilidade, a confiança.

Mas nós adoramos fazer rigorosamente o contrário:

  • Alterar com frequência a legislação laboral, fiscal, licenciamentos;
  • Surpreender com notícias negativas, retrocessos, agravamento das condições anteriormente anunciadas;
  • Demonstrar a falta de respeito para com os investidores com tomada de posições precipitadas e lesivas dos direitos entretanto adquiridos;
  • Complicar a burocracia – sempre que se tomam medidas para agilizar, surgem logo de seguida medidas reforçadas para voltar a complicar.

E ainda dizemos que as empresas não sabem planear a prazo!

Houve outrora um governante que achou que a agricultura, a pesca e a indústria, eram actividades menores sem interesse para o País, que deveria reconverter-se apenas aos serviços.

Felizmente que a agricultura ultrapassou e superou estas políticas e tem vindo a crescer. Concluiu-se uma pequena parte do regadio do Alqueva com grande atraso e muito sofrimento e gasto de dinheiro, mas antes deste estar concluído já estamos a atacar fortemente o sector da agricultura regada e a criar restrições e dificuldades para o inviabilizar.

 

Nota final: Como tínhamos “poucas” associações apareceram mais duas.

A total falta de jeito para nos associarmos, é sublimação através do elevado número de associações.

Enfim, vamos todos fazer o que ainda não foi feito. No entretanto, podemos ir olhando para os bons exemplos do Norte da Europa.

Não serão necessários apenas feitos extraordinários. O êxito será o somatório de todos os contributos, sejam eles pequenos ou grandes.

Este artigo foi publicado na edição de Julho de 2021 da revista Executive Digest.

Ler Mais


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.