Antigo negociador britânico questiona estudos sobre impacto económico negativo do Brexit

O antigo negociador britânico do ‘Brexit’ David Frost afirmou hoje que o verdadeiro impacto económico da saída do Reino Unido da União Europeia (UE) poderá nunca vir a ser conhecido e questionou estudos que indicam consequências negativas.

“Não tenho a certeza se alguma vez vai ser claro no sentido de se saber que foi bem-sucedido ou falhou porque há tantas mais coisas a acontecer. E extrair a causalidade vai ser sempre extremamente difícil”, afirmou, durante um evento para marcar o sexto aniversário do referendo.

Em 2016, 51,9% dos eleitores britânicos votaram a saída britânica da UE numa consulta popular com uma taxa de participação de 72,2%, mas o ‘Brexit’ só entrou em prática em 01 de janeiro de 2021 com a entrada em vigor do novo Acordo de Comércio e Cooperação.

Durante a Conferência “The World Beyond Brexit” (O Mundo para Além do Brexit), organizada pelo centro de estudos UK in a Changing Europe, Frost admitiu que “uma prova de fracasso seria se ainda se estivesse a debater (a questão) daqui a cinco ou seis anos”.

“Para ser bem-sucedido, [o ‘Brexit’] precisa de se estabelecer na política britânica e é preciso que exista um amplo consenso de que é assim que vamos avançar. Não creio que já lá chegámos. Mas não tenho a certeza de que alguma vez venhamos a ter algum tipo de prova económica”, disse.

Durante a intervenção, o antigo secretário de Estado para os Assuntos Europeus alertou para as “enormes quantidades de ruído nos números”, que atribui não só à pandemia da covid-19, como a problemas nas cadeias de abastecimento e à guerra na Ucrânia, mas também à mudança nas métricas das estatísticas britânicas.

“É difícil estar confiante quais mudanças, se houve alguma, se devem ao Brexit. Obviamente que se vai tornar mais claro com o tempo, mas entretanto penso que qualquer pessoa que tire conclusões firmes dos números não está realmente a ser honesto”, argumentou.

Frost citou estatísticas que apontam para um aumento das exportações para a UE em abril, pelo terceiro mês consecutivo, adiantando que o comércio de serviços também está a subir.

Mesmo assim, reconheceu que existe um custo da saída da união aduaneira e do mercado único e que “é melhor ser honesto sobre estas coisas”.

“Penso que é razoável avaliar os números que temos até agora, mostrando plausivelmente que as nossas exportações de mercadorias estão talvez 5% abaixo do que teriam sido” se o Reino Unido continuasse no mercado único.

Todavia, Frost recusa que esta redução tenha afetado o Produto Interno Bruto (PIB) e defendeu que “uma comparação mais direta com as principais economias do G7 revela que não existe um atraso óbvio relacionado com o Brexit no desempenho económico do Reino Unido medido pelo PIB ‘per capita’”.

Um estudo da Resolution Foundation publicado na quarta-feira reivindica que o ‘Brexit’ teve como efeito “reduzir os rendimentos das famílias devido a uma libra mais fraca e à queda do investimento e do comércio”.

A falta de abertura e competitividade da economia britânica durante a próxima década, continua, reduzirá a produtividade em 1,3% em relação ao que aconteceria se continuasse no bloco europeu, e os salários em termos reais, isto é, ajustados pelos efeitos da inflação, “cairão em 470 libras (546 euros) por pessoa por ano”.

Ler Mais


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.