Accenture Digital Business: O potencial de sustentabilidade por detrás da cloud

A passagem para a cloud pode proporcionar um efeito de dupla hélice no valor dos accionistas e dos stakeholders – simultaneamente reduzindo os custos e as emissões de carbono se abordada da perspectiva da sustentabilidade. O que leva a um planeta mais verde e um estímulo na rentabilidade.

PREVISÃO PARA A CLOUD

Prevê-se que haja cada vez mais nuvens (“clouds”) no mundo dos negócios, associadas a uma hipótese de poupanças significativas tanto a nível financeiro como de emissões de carbono. Com a proliferação de dados e dispositivos, a cloud pública vai ganhar força. Cada empresa terá um negócio com uma cloud como base.

Vejamos: O número de centros de dados de grande escala está a aumentar 14% a cada ano e o investimento em cloud públicas aumentará 17% entre 2019-2020. Alguns analistas calculam que 11,4% dos investimentos em Tecnologias de Informação (TI) nos Estados Unidos da América são dedicados à cloud, com a China nos 2,7% e a recuperar rapidamente. Este crescimento a dois dígitos tem o seu preço. O consumo global de electricidade de um centro de dados é quase equivalente ao consumo anual de Espanha.

No entanto, ao procurar uma abordagem ecológica, o estudo da Accenture sugere que as migrações para a cloud pública podem reduzir as emissões globais de carbono (CO2) em 59 milhões de toneladas de CO2 por ano. Isto representa uma redução de 5,9% nas emissões totais de TI e equivale a retirar 22 milhões de carros da estrada. Esta magnitude na redução pode fazer muito pelo cumprimento de compromissos relativos às alterações climáticas, principalmente para as empresas que dependem intensamente de dados.

Segundo a experiência da Accenture no apoio a centenas de clientes nas migrações para a cloud, uma cloud sustentável ajuda as empresas a conseguirem cumprir todos os seus objectivos financeiros. A Accenture tem visto uma poupança de até 30-40% nos custos totais de propriedade (TCO). Factores como uma maior flexibilidade da carga de trabalho, taxas mais adequadas de utilização do servidor e infra-estruturas mais eficientes em termos energéticos, tornam as cloud públicas mais eficientes em termos de custos do que os centros de dados internos de uma empresa.

Na Accenture, põe-se em prática aquilo que se proclama: Actualmente, a empresa executa 95% das aplicações na cloud. A migração levou a 12,4 milhões de euros em benefícios, após o terceiro ano. Com isto, conseguiu-se uma poupança de mais 2,5 milhões de euros em custos anuais com o consumo de serviços personalizados.

Outro facto igualmente importante é que as migrações para a cloud também desbloqueiam novas oportunidades, como transições para energias limpas graças às análises geográficas baseadas na cloud, à redução de resíduos materiais a partir de perspectivas de dados mais adequadas e a I&D médicos específicos como resultado de plataformas analíticas rápidas.

RUMO A UMA CLOUD MAIS ECOLÓGICA

Nem todas as abordagens de migração para a cloud são criadas de forma igual quando se trata de sustentabilidade e não existe uma solução mágica que sirva todos por igual. O que é que se quer dizer com isso? Segundo a Accenture, a gama de benefícios possíveis depende apenas do foco de uma empresa em três coisas: 1. Seleccionar com propósito, 2. Construir com ambição, 3. Inovar mais.

1) SELECCIONAR COM PROPÓSITO

O primeiro passo em direcção a um percurso sustentável centrado na cloud começa com a selecção de um fornecedor consciente em termos de carbono. Os fornecedores de cloud estabelecem diferentes compromissos empresariais para com a sustentabilidade, que por sua vez determinam a forma como planeiam, constroem, alimentam, operam e reformam os centros de dados.

A Accenture alerta que as emissões de carbono podem diferir bastante entre fornecedores, apesar de muitos deles se terem concentrado em atingirem valores de referência na redução do consumo de energia. As diferenças nascem da variedade de investimentos empresariais na produção de energia renovável, da capacidade de reutilização e reciclagem do hardware dos centros de dados, e de analítica avançada para uma melhor gestão das operações dos bens. E os serviços na cloud focados no cliente, tais como relatórios transparentes em tempo real sobre as emissões de carbono associadas, podem efectivamente ajudar a controlar os factos relacionados com os objectivos de sustentabilidade.

2) CONSTRUIR COM AMBIÇÃO

O percurso até uma cloud sustentável envolve três níveis de ambição: infra-estruturas como serviço (IaaS, também referido como “erguer e deslocar”) migrações sem grandes alterações (nível bronze), aplicação de práticas de engenharia de software sustentáveis (nível prata) e optimização de aplicações para o “tecido da cloud” (nível ouro). As migrações de IaaS podem reduzir as emissões de carbono em mais de 84% em comparação com as infra-estruturas convencionais. As reduções podem ser ainda mais altas – até uns impressionantes 98% – concebendo aplicações especificamente para a cloud. No gráfico da página seguinte, a Accenture indica os níveis incrementais de redução de carbono que podem ser alcançados – quanto maior a ambição, maior a redução das emissões de carbono.

Mudar a computação empresarial para a cloud

As migrações IaaS envolvem a migração de aplicações internas da empresa para a cloud sem grandes alterações nas aplicações ou fluxos de trabalho. Estes trajectos básicos para a cloud criam oportunidades significativas de redução de carbono. Os principais factores do IaaS incluem melhorias na potência e refrigeração que permitem menos energia por unidade de computação, hardware mais recente e mais eficiente optimizado por fornecedores de cloud, e taxas de utilização de servidores várias vezes superiores às típicas taxas de utilização de tecnologia interna da empresa. Na maioria dos casos, os fornecedores de cloud também têm maiores misturas de energia renovável do que os utilizadores de cloud e minimizam as emissões de carbono do centro de dados através de energias renováveis.

A análise da Accenture aos maiores fornecedores de serviços públicos de cloud computing mostra que as migrações médias entre empresas podem levar a uma impressionante redução de 65% de energia e a uma redução de 84% de carbono.

Práticas de engenharia de software sustentável

As abordagens de desenvolvimento de software sustentável oferecem ainda mais melhorias. As empresas devem fazer escolhas intencionais para deliberarem o custo e o desempenho nos resultados da sustentabilidade. Por exemplo, as experiências da Accenture indicam que a selecção da linguagem de programação “adequada ao fim a que se destina” pode reduzir o consumo de energia. Manter o equilíbrio entre a fiabilidade dos modelos analíticos e o consumo de recursos na cloud pode criar poupanças significativas.

A investigação da Accenture Labs sobre engenharia de software sustentável revelou que, para certos tipos de técnicas de programação, a escolha da linguagem de programação pode ter um impacto no consumo de energia de até 50 vezes. Ao lidar com a IA, que normalmente está alojada na cloud, as escolhas relacionadas com a fiabilidade podem também fazer uma grande diferença na utilização de energia. Vejamos: A Accenture descobriu que, enquanto ensinava um modelo simples de IA a identificar flores, o aumento da fiabilidade do modelo de 96% para 98% resultou num salto de quase sete vezes no consumo de energia.

Práticas sustentáveis de engenharia de software conduzem a reduções de energia e de emissões de carbono. Contudo, com recursos limitados, as empresas precisam de dar prioridade às aplicações que proporcionam o maior benefício de carbono no que toca a esforços de desenvolvimento sustentável.

O que também é muito importante: os executivos devem apoiar a sustentabilidade como um resultado para optimizar o software, afastando-se do seu enfoque tradicional no desempenho e redução de custos.

Optimizar as aplicações de software para a cloud

As empresas obtêm reduções de carbono ainda maiores através das estruturas e utilização da cloud.

Esta análise da Accenture testemunha que a personalização das aplicações para serem baseadas na cloud pode resultar num aumento da redução das emissões de carbono até 98%. A personalização exige a concepção de aplicações para tirar o máximo partido da computação a pedido, assim como maiores taxas de utilização de bens e uma distribuição dinâmica de recursos informáticos. Para aplicações que não estão totalmente migradas, as empresas podem usar a desvinculação digital para aproveitarem as partes fundamentais das aplicações mais antigas e desenvolverem à sua volta uma estrutura eficiente na cloud.

3) INOVAR MAIS

A cloud é fundamental para obter grandes benefícios financeiros, sociais, assim como ambientais através de operações circulares baseadas na cloud e de produtos e serviços sustentáveis. As empresas líderes estão a ir mais longe quando se trata de inovação; indo para além das melhorias nas emissões de carbono nos centros de dados.

Operações circulares baseadas na cloud

Os fornecedores da cloud têm escala e incentivos financeiros únicos, e podem trabalhar em estreita colaboração com os stakeholders na adopção da economia circular quando se trata de hardware. A Accenture calcula que os fabricantes de tecnologia empresarial podem obter mais 16% de lucro operacional concebendo produtos duradouros, modulares e circulares. As emissões inerentes à produção e transferência de hardware para centros de dados também representam um valor significativo, satisfazendo as necessidades tanto de accionistas como de stakeholders.

Os consumidores da cloud utilizam plataformas baseadas na mesma para monitorizar as cadeias de valor, tanto a montante como a jusante, de forma mais rigorosa e para recuperar valor a partir de materiais não utilizados e resíduos industriais.

Produtos e serviços mais sustentáveis

Ao combinarem as tecnologias na cloud com a Quarta Revolução Industrial (4IR), as empresas líderes oferecem melhores resultados aos clientes. Isto acontece principalmente nos sectores ricos em dados.

COMO A ACCENTURE PODE AJUDAR

As empresas que iniciam o seu percurso na cloud debatem-se com uma série de perguntas: Qual o melhor fornecedor de cloud? Como devem as aplicações ser modernizadas para satisfazerem as necessidades de hoje e de amanhã? E que inovações impulsionadas pela cloud devem ser prioritárias? As decisões que tomam determinarão directamente a sustentabilidade das vossas soluções e seus benefícios. Aqueles que escolherem sabiamente ganharão níveis de inovação sem precedentes, levando a um planeta e a um balanço mais verde.

Na Accenture, o objectivo é ajudar todas as empresas a passarem para a cloud e a acelerarem a sua transformação digital. O recém-criado grupo multi-serviços, o Accenture Cloud-First, reúne o poder e envergadura do sector, as capacidades tecnológicas da Accenture, as parcerias do ecossistema e um profundo compromisso para com negócios responsáveis. Fornecem o valor empresarial, a aceleração da inovação e o know-how técnico de que necessitam.

Artigo publicado na Revista Executive Digest n.º 176 de Novembro de 2020

Ler Mais

Comentários
Loading...