«A uma escala nunca vista»: Custo dos tratamentos da covid-19 aumenta em 80 países

O preço dos 10 medicamentos mais utilizados no tratamento contra a Covid-19 aumentou cerca de 4% em todo o mundo, de acordo com dados da consultora ‘IHS Markit’, citados pelo ‘elEconomista’.

O custo de mais de metade dos tratamentos em questão registou uma subida em 80 países, no período compreendido entre os meses de Fevereiro e Junho de 2020, impulsionado sobretudo pelos preços do Diazepam e da Azitromicina, que subiram 16% e 6,5%, respectivamente.

«Normalmente, o aumento de preços de produtos farmacêuticos a nível global é relativamente raro, contudo a nossa análise indica que muitos países relataram um aumento no custo de medicamentos críticos para o tratamento da Covid-19, que em muitos casos, ocorreu numa escala nunca antes vista», explica Gustav Ando, ​​vice-presidente da IHS Markit ao ‘elEconomista’.

Alguns países de menor dimensão foram particularmente afectados pelo aumento significativo dos preços. Por exemplo, o custo dos 10 medicamentos na Dinamarca aumentou 71,6%. Na Holanda e na Suécia, a subida foi de 43,1% e 37,5%, respectivamente. O Reino Unido registou aumentos de até 49%, sobretudo no caso da azitromicina.

Os EUA mostraram apenas um aumento de preço para uma das versões da dexametasona e tiveram reduções substanciais em algumas das outras versões da azitromicina, ciclosporina e brometo de ipratrópio.

A maior subida de preço foi da dexametasona, o único tratamento que mostrou aumentar as hipóteses de sobrevivência da doença, cujo custo quase triplicou na Holanda (+ 277%). Os preços do diazepam aumentaram na Lituânia (+ 167%), Dinamarca (+ 128%), Canadá (114%), Nova Zelândia (+ 100%) e Emirados Árabes Unidos (100%).

«Os preços dos produtos farmacêuticos estão a subir na altura em que são mais necessários e em que os governos têm mais dificuldade em suportar os seus custos, enquanto procuram apoiar as suas economias», refere Ando.

Ler Mais


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.