A inédita situação do mercado europeu de péletes

Por Luís Gil, Vice-Presidente do Centro da Biomassa para a Energia

Para além da emergência climática, a invasão da Ucrânia pela Rússia apressou ainda mais a necessidade europeia de substituir os combustíveis fósseis importados e de expansão da produção de energia por via renovável. No entanto, há movimentações a nível europeu para a redução do uso da biomassa lenhosa sustentável para a produção de energia. Que não parecem entrar em linha de conta com a decomposição da matéria biomássica que, se não for aproveitada, é também conducente à produção de CO2, sem esta ser utilizada para fins energéticos. Porém, as renovadas e ambiciosas metas impostas, não poderão ser alcançadas sem o auxílio (e mesmo crescimento) desta importante componente renovável. Ponto final!

Quem acompanha este tipo de os assuntos já se apercebeu que o mercado dos péletes tem andado um pouco em ebulição. Um levantamento estatístico efetuado pela Bioenergy Europe, com referência a dados de 2021, permite-nos ter uma perceção global da situação dos péletes na Europa.

E o primeiro dado é este: na Europa (UE-27) foram produzidas 20,7 milhões de toneladas de péletes, mas o consumo global foi de 24,5 milhões de toneladas (com um aumento de 2020 para 2021 de 18%), sendo que a UE-27 é responsável pela produção de quase metade dos péletes a nível mundial e em crescimento contínuo.

É de salientar também que o conjunto Rússia (68%)/Ucrânia (14%)/Bielorrúsia (18%) exportaram em 2021 para a UE-27 + Reino Unido, mais de 3 milhões de toneladas, que urge substituir, sendo os países mais dependentes deste mercado em termos quantitativos, a Dinamarca, a Bélgica e a Polónia.

No que se refere ao consumo dos péletes, a sua utilização está repartida entre a utilização residencial/comercial (48%) e a industrial (52%). Neste domínio, o principal utilizador de péletes foi o Reino Unido, seguido da Dinamarca e de Itália – sendo que só na Holanda em 2021 houve um crescimento de cerca de 40% – mas com situações muito diferentes: no Reino Unido e na Holanda a maior parte dos péletes foi utilizado para a produção de eletricidade mas, por exemplo, em Itália estes foram utilizados para a produção de calor residencial e comercial.

Em termos de preços, de produtos concorrentes, verificou-se, em valores médios europeus, entre abril de 2021 e outubro 2022, um aumento de 185% no preço do gás, de 135% no preço da eletricidade e de 91% no preço do óleo de aquecimento. Em termos de preço dos péletes, tomando como referência os mercados da Alemanha e da Bélgica, verificou-se entre janeiro de 2020 e setembro de 2022 uma subida para preços recorde, por exemplo na Alemanha, de cerca de 300 euros/ton para 857 euros/ton (cerca de 250 à 700 euros/ton na Bélgica) para péletes embalados em sacos, sendo a tendência semelhante para péletes a granel.

Verificou-se assim que 2021 foi, na Europa, um ano excecional para os péletes, com aumentos da produção e do consumo, sendo que o crescimento do consumo, embora ocorrendo em todos os setores foi exponenciado pela sua utilização a nível industrial. A instabilidade dos preços a nível do mercado da energia teve também impacto a nível dos péletes, sendo muito difícil prever qual será a situação nos tempos que aí vêm. Até as alterações climáticas terão influência, pois com temperaturas mais amenas no inverno poderão ser menores as necessidades de aquecimento.

Ler Mais

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.