Sabe que tipo de música o ajuda a ser mais produtivo?

Porque ouvimos mais determinadas músicas, como alinhar a música com a tarefa e porque é que o silêncio ainda é de ouro.

Por Jared Lindzon, colaborador da Fast Company

Diversos estudos confirmaram que ouvir música pode melhorar a produtividade, mas novas pesquisas sugerem que alguns géneros musicais são mais motivadores que outros.

A música mais popular para melhorar a produtividade, segundo um estudo da CloudCover Music, é o rock clássico, seguido da música alternativa e pop. Por outro lado, o hip-hop, o heavy metal, a música electrónica e o country foram considerados os géneros que causam mais distracção.

«Depende das preferências individuais de cada um», afirma Meg Piedmont, project manager na CloudCover Music, que ajudou a realizar o estudo. «É uma questão de criar o nosso próprio espaço de trabalho, personalizado para fazermos o melhor trabalho que conseguimos.»

Meg Piedmont aponta para o hip-hop para demonstrar quão subjectivo pode ser o impacto da música num ouvinte individual. Isto porque, enquanto 21,1% consideraram o género “produtivo”, tornando-o o quinto favorito no local de trabalho, 37,7% disseram ser uma “fonte de distracção”, tornando-o simultaneamente o mais detestado. No geral, os inquiridos do estudo concordaram que é preferível ouvir música a qualquer outro ruído de fundo no local de trabalho, com 94% dos inquiridos a afirmarem que ouvem música no trabalho, em comparação com 42% que ouvem rádio, 35% que ouvem podcasts, 25% que ouvem notícias e 15% que ouvem audiolivros e notícias desportivas.

Como os auscultadores se tornaram um acessório de trabalho habitual

Segundo Piedmont, existem várias tendências convergentes que estão a fazer dos auscultadores um acessório de trabalho habitual. Os escritórios abertos podem ajudar nas despesas imobiliárias, mas também criam muita poluição sonora. De facto, 30% dos inquiridos admitiram usar auscultadores no trabalho essencialmente para bloquear o ruído de fundo, enquanto 46% afirmam usá-los para evitar falar com os colegas.

«Ouvir música com auscultadores pode ajudar as pessoas a manterem-se concentradas e a sentirem que têm o seu próprio espaço num local de trabalho aberto», afirma Piedmont. «Actualmente também é muito fácil ter acesso à música – normalmente encontra-se no telemóvel ou no computador, gratuitamente – e o acesso fácil pode também ser a razão por que vemos cada vez mais pessoas a ouvir com mais frequência durante o dia.»

Segundo o estudo, 82,2% dos inquiridos podem ouvir a sua música pessoal no local de trabalho com auscultadores. Daqueles que ouvem alguma forma de áudio no local de trabalho, cerca de 42% ouvem ao longo de todo o dia, 39,5% ouvem algumas vezes por dia e cerca de 19% ouvem algumas vezes por semana.

A nostalgia impulsiona os hábitos de ouvir música

A música pode aproximar colegas, segundo o estudo, mas também pode distanciá-los. Cerca de 26% dos inquiridos julgam os seus colegas pelas suas preferências musicais, mas 59% dos colaboradores e 65% dos empregadores acreditam que a música ajuda-os a criar uma ligação com os colegas.

A diferença muitas vezes resume-se a nostalgia e a associação, segundo Teresa Lesiuk, directora do programa de terapia musical na Universidade de Miami. «Existe aquilo a que chamamos “rede de memória associativa”, por isso se temos memórias com uma música, isso vai ligar-se aos nódulos da memória, aos nódulos da emoção no cérebro», explica. «A música cria associações muito poderosas.»

Teresa Lesiuk acrescenta que os géneros mais populares no local de trabalho – como rock clássico, alternativo e pop – na verdade são simplesmente os mais nostálgicos.

«A música que ouvimos quando temos 20 anos, quando somos muito activos e a nossa identidade se está a formar, tende a ser a mais marcante», explica. «Faz sentido então que o rock clássico, o alternativo e, talvez, o hip-hop agora sejam populares, à medida que a população envelhece.»

Por que razão o silêncio ainda é de ouro

Apesar da tendência para haver mais música no trabalho, o melhor ruído de fundo para a concentração em importantes tarefas é o silêncio, de acordo com Josh Davis, escritor e investigador.

«Em quase todas as circunstâncias em que é preciso concentração, não há nada melhor que o silêncio», declara.

No livro de Josh Davis “Two Awesome Hours”, este explora formas de maximizar as duas horas mais produtivas de um indivíduo, explicando que factores ambientais como o barulho podem ter impacto significativo na produtividade.

«Para as coisas que fazem a carreira realmente avançar, que tornam uma pessoa bem-sucedida, para se estar realmente no seu auge, é preferível o silêncio durante as duas melhores horas do dia», afirma o escritor e investigador, que contribuiu para a revista “Fast Company”.

«Para o resto do dia, ouçam géneros musicais que vos faça sentir mais alegres ou produtivos, que faça com que seja mais fácil cumprir as tarefas menos agradáveis, mas que têm de ser feitas.»

A reter: existe a playlist certa para a tarefa certa

Todavia, quando o silêncio não é opção, tanto Davis como Lesiuk sugerem tentar alinhar o género com a tarefa em mãos.

«Existem certos tipos de trabalho criativo onde não é exigida uma atenção focada, mas sim ser criativo num sentido mais artístico», revela Josh Davis. «Para isso, está provado que algum barulho de fundo liberta as pessoas, precisamente por estarem um pouco distraídas.»

Teresa Lesiuk aconselha os colaboradores a considerarem vários factores ao escolherem uma playlist, incluindo factores internos como estado de espírito, tipo de personalidade e preferências pessoais, assim como variáveis externas como a natureza da tarefa e o ambiente de trabalho.

«Imaginemos que existe uma tarefa aborrecida, e que a pessoa está muito stressada quando pega nela; é preciso tratar primeiro do estado de espírito», explica a directora do programa de terapia musical na Universidade de Miami. «A pessoa deve primeiro alinhar a música com o estado de espírito e depois escolher lentamente músicas que passem esse estado de espírito para um modo mais relaxado.»

A pesquisa de Lesiuk também descobriu que a música pode ser eficaz a combater a sonolência e uma disposição negativa, melhorando assim o desempenho no local de trabalho.

«Independentemente do género escolhido, procurem algo mais acelerado, algo com uma melodia e ritmo mais movimentados, porque essas propriedades tornar-vos-ão mais alertas», refere Lesiuk.

Este artigo foi publicado na edição de Janeiro de 2019 da Executive Digest.

Artigos relacionados
Comentários
Loading...